Última hora
recent

Condenado por estupro e furto

O Juízo Criminal da Comarca de Tarauacá condenou a 12 anos e quatro meses de prisão, em regime inicial fechado, e ao pagamento de 30 dias-multa, J. J. R. da S., pela pratica dos crimes de estupro de vulnerável, cometidos contra menor com apenas quatro anos de idade, à época dos fatos, e pelo furto praticado durante o repouso noturno da vítima C.R. da S. (mãe da criança). Os crimes aconteceram em 2010, no município de Tarauacá. A decisão está publicada na edição nº 5.486 do Diário da Justiça Eletrônico (fls.101).
Ao analisar o caso, o juiz de Direito sentenciante, Guilherme Fraga, titular da Vara Cível da Comarca de Tarauacá assevera a extrema reprovação social do crime praticado. “Do crime previsto no Art. 217-A do CP: A culpabilidade do réu é elevada, uma vez que o crime sexual praticado é objeto de extrema reprovação social, mormente porque praticado contra criança de pouca idade”.
Entenda o Caso
A ação penal iniciou com denúncia proposta pelo Ministério Público do Estado do Acre (MPEAC) contra J. J. R. da S., pela prática do crime prescrito no art. 217-A, art.155, §1º e art. 29 do Código Penal (estupro de vulnerável e furto praticado durante repouso noturno), bem como de J. O. M. de L. acusado de cometer os crimes expostos nos art.155, §1º e art. 29 do Código Penal.
Conforme o texto da denuncia, o réu entrou pelo fundo da residência de C.R. da S., mãe da vítima violentada, abordou a criança e manteve conjunção carnal com a mesma. Na ocasião, os homens denunciados aproveitaram para furtar objetos da casa da genitora da vítima.
Sentença
Ao analisar o caso, o magistrado absolveu J.O.M. de L., considerando que “os depoimentos testemunhais são secundários, imprecisos, quanto à participação do acusado O. M. de L. e não tem o condão de comprovar o seu envolvimento no furto”. Já J. J. R. da S. foi condenado pela prática dos dois crimes pelos quais foi denunciado, estupro de vulnerável e furto.
Quanto ao estupro de vulnerável, o juiz de Direito anota que ficaram demonstradas a materialidade e a autoria do crime. Aquela através do exame de corpo de delito da menor e esta, pois, tanto a criança violentada quanto o irmão da vítima reconheceram J.J.R. da S. “como sendo a pessoa que praticou o crime em comento”.
O magistrado destacou a importância das testemunhas para julgar tais casos, pois, “como se sabe, o estupro é delito praticado, no comum das vezes, às ocultas, sem a presença de testemunhas, sendo, portanto, de especial importância a palavra da vítima, tomados os cuidados inerentes à conhecidasíndrome da mulher de Potifar“.
Por isso, o juiz ressalta que “a palavra da vítima, associada aos depoimentos de seu irmão J.C. e sua mãe C., e ainda ao resultado do laudo técnico acostado aos autos, evidenciam a prática de conjunção carnal e ato libidinoso por parte do acusado, ficando de outro lado, isolada qualquer versão de absolvição por parte da defesa”.
Ao sentenciar, o juiz Guilherme Fraga ressalta que “as circunstâncias são desfavoráveis, tendo em vista estava na sua casa, dormindo, quando surpreendida por acusado, o qual adentrou na residência de forma audaciosa. As consequências do crime são desfavoráveis ao acusado, tendo em vista que a vítima sofreu sequelas psicológicas. O comportamento da vítima em nada contribuiu para o delito”.
Diante dos fatos, o magistrado decidiu pela condenação do acusado J.J.R. da S. “Assim, fica o réu condenado a uma pena de 12 anos e 4 meses de reclusão, a ser cumprida no regime fechado, bem como ao pagamento de 30 dias-multa. Nego ao réu o direito de apelar em liberdade, tendo em vista a gravidade do delito, bem como cercado de circunstâncias judiciais desfavoráveis, o que vem a justificar garantia da ordem pública”.
fonte  www.jornalatribuna.com.b
equipe giro feijó

equipe giro feijó

Comentários desta notícia

Atenção, não somos responsáveis pelo conteúdo do comentário que você escrever aqui, mas podemos exluir se for necessário!

Clique na imagem para entrar em contato

Tecnologia do Blogger.