Última hora
recent

Bancários de Feijó Aderem ao Movimento Nacional de Greve

Os funcionários do Banco da Amazônia, Banco do Brasil e Caixa Economica Federal de Feijó aderiram também ao movimento grevista bancário. A  Categoria pede reposição salarial de 16% com piso de R$ 3.299,66. Clientes devem procurar medidas alternativas, diz sindicato.
Os bancários entram em greve por tempo indeterminado nesta terça-feira 6 após rechaçarem com veemência, em assembleias por todo o Brasil, a proposta apresentada pela federação dos bancos (Fenaban) para renovação da Convenção Coletiva de Trabalho da categoria. Nas mesas específicas com Banco do Brasil e Caixa Federal, nem proposta foi apresentada para renovação dos respectivos acordos aditivos.
Tempo e diálogo não faltaram para os banqueiros resolverem o processo nas mesas de negociações. As três pautas, democraticamente construídas com a participação de trabalhadores de todo o país, foram entregues em 11 de agosto e, de lá para cá, foram seis rodadas de debates só com a Fenaban. Houve mais quatro com a direção do Banco do Brasil e outras cinco com a diretoria da Caixa. A data base dos três acordos é 1º de setembro.

“Depois de mostrarmos para eles com vários dados que é possível, e necessária, a valorização da categoria, na última reunião vieram com a pior proposta dos últimos anos que traz perdas enormes para a renda dos trabalhadores e não contempla outras prioridades, como garantia de emprego, combate ao assédio moral e metas abusivas, igualdade de oportunidades para todos, dentre outros pontos da pauta”, afirma Juvandia Moreira, presidenta do Sindicato e uma das coordenadoras do Comando Nacional que negocia com a Fenaban.
Os bancos ofereceram reajuste de 5,5% nos salários e verbas, ante a inflação de 9,88% no período, o que geraria perda de 4% nos salários, anulando os ganhos reais conquistados, com muita luta, nos dois últimos anos. Só em 2013, foi quase um mês de greve. No vale-refeição, o reajuste não pagaria uma coxinha, já que representaria R$ 1,43 ao dia.

O abono de R$ 2,5 mil também foi rechaçado. A categoria entendeu que, além de ser pago só uma vez, o valor não integraria o salário e, consequentemente, não se incorporaria ao FGTS, à aposentadoria nem ao 13º, gerando perdas enormes também no longo prazo. Fora que sequer seriam esses R$ 2,5 mil, porque sobre eles incidem imposto de renda e INSS.
Não à toa, a assembleia de São Paulo, realizada na quinta 1º (foto), com mais de 1,5 mil bancários de instituições públicas e privadas, rejeitou por unanimidade o que foi oferecido e aprovou a greve por tempo indeterminado a partir da terça 6. O resultado comprovou enquete feita pelo site do Sindicato. Das mais de 10 mil respostas, 97% enquadraram a proposta como desrespeitosa (62,4%), péssima (26%) ou ruim (8,6%). Apenas 3% apontaram como aceitável. “Só podem ser os banqueiros”, ironizou Ivone Maria, secretária-geral do Sindicato.
Na segunda 5 haverá nova assembleia para organizar o movimento confirmado para começar no dia seguinte. É fundamental que todos os locais de trabalho estejam representados. Haverá credenciamento: leve crachá do banco e documento com foto.

Cofres cheios – A intolerância da categoria com a proposta não é à toa, afinal os bancos passaram bem longe da tal crise alardeada. Engordaram seus cofres no primeiro semestre lucrando R$ 36,3 bilhões, 27,3% a mais do que o mesmo período do ano passado (resultado de BB, Caixa, Itaú, Bradesco e Santander).
De 2013 para cá aumentaram as tarifas 11 vezes mais que a inflação e 9,83 vezes mais do que pagam para os bancários. Só com o que arrecadam com elas, daria para cobrir todas as folhas de pagamento e sobraria muito para contratar mais, necessidade premente da categoria.
E como falar em crise para negar as reivindicações, se o setor paga, em média, quase R$ 420 mil por mês para cada executivo, contra o salário médio de R$ 6,2 mil para os trabalhadores? Justamente eles, os bancários, grandes responsáveis por ir para a linha de frente e gerar tanto resultado.
“Aí chega na hora de negociar, eles desrespeitam todas as nossas reivindicações. É uma proposta vergonhosa. A categoria bancária tem de ser respeitada, valorizada, pois são os responsáveis pelos lucros. Vamos fazer uma greve muito forte para mostrar a reprovação dos trabalhadores com a proposta dos bancos”.
fonte   acrefeijonew.blogspot.com
equipe giro feijó

equipe giro feijó

Comentários desta notícia

Atenção, não somos responsáveis pelo conteúdo do comentário que você escrever aqui, mas podemos exluir se for necessário!
Tecnologia do Blogger.