Última hora
recent

No AC, mãe acusa professora de praticar bullying contra filho de 6 anos

A dona de casa Maria Socorro Andrade, de 29 anos, acusa a escola Municipal Novo Horizonte, na zona rural de Porto Acre, 78 km da capital, de tratar seu filho de forma "diferente". O filho de Maria, que tem seis anos, chora todos os dias na hora de ir para a escola, de acordo com ela. "Ele não aprendeu nada esse ano, na verdade acho que desaprendeu tudo", diz.
 Procurada pelo g1 a diretora da escola, Ivaneide de Souza Lima , nega as acusações e diz que a escola não está maltratando nenhuma criança. Segundo Ivaneide, a mãe já foi chamada algumas vezes no colégio para falar sobre o comportamento do aluno. A diretora afirma que o menino é agressivo com a professora e com os colegas da sala de aula.
Revoltada com a situação, a mãe diz que o filho sofre bullying tanto por parte da professora, quanto dos colegas de sala de aula.
Menino de seis anos estaria sofrendo bullying, segundo a mãe (Foto: Val Sales/Arquivo pessoal)
"Meu filho conta que todos os dias a professora manda ele sentar no final da sala, com isso, não consegue escrever o que está no quadro e acaba ficando sem recreio. Ele diz que os colegas batem nele e pegam seu material escolar", conta.
Segundo a mãe, o garoto sabia ler e escrever antes de entrar na 1ª série, mas que acabou regredindo por conta do tratamento recebido na escola. Maria diz que atualmente o menino mal consegue escrever o próprio nome.
"Já fui na escola e me disseram que é ele que bate nos colegas e não quer fazer as tarefas. Me dizem que ele não tem atenção. Meu filho sempre passa por mentiroso, mas eu acredito nele. Se ele chega chorando quase todos os dias dizendo que sentou no final da sala e não foi para o recreio, eu sei que é verdade", diz.
A diretora da escola diz que durante a reunião com a mãe, ela teria dito que não tem tido tempo para dar atenção ao filho, por ter uma outra criança em casa e o marido trabalhar fora e passar muitos dias fora de casa. Segundo Ivaneide, a escola não encontrou motivo para trocar a criança de sala.
"Quando a mãe veio à escola, disse que não tinha ido com a cara da professora e queria que mudasse o filho de sala. Falei que não poderíamos mudar a criança de sala. Informei ainda que ele não estava rendendo como deveria, agredindo as demais crianças, não fazia as atividades e falava para a professora que ela tinha que fazer a atividade dele, porque a mãe tinha dito que ela era paga para fazer aquilo", afirma.
o g1 tentou falar com a professora, mas a diretora informou que ela não quis se pronunciar sobre o assunto.
fonte  Do G1 AC

equipe giro feijó

equipe giro feijó

Comentários desta notícia

Atenção, não somos responsáveis pelo conteúdo do comentário que você escrever aqui, mas podemos exluir se for necessário!

Clique na imagem para entrar em contato

Tecnologia do Blogger.