Última hora
recent

Por ter cabelo cacheado, menina diz ter sido agredida em escola

Uma jovem de 14 anos diz que foi agredida, nesta sexta-feira (11), por uma colega que estuda em sua sala de aula, em uma escola estadual de Cruzeiro do Sul. De acordo com a mãe da menina, a dona de casa Maria Alberlene Bezerra, de 37 anos, a filha afirma sofrer bullying por ter o cabelo cacheado.
Maria diz que além de ter que lidar as agressões sofridas pela filha, ela tentou ir por duas vezes até a Delegacia Geral do município e não conseguiu fazer o BO, por não ter tinta na impressora da unidade. “Fui na sexta-feira [11] à noite e me disseram para voltar às 9h de hoje [ sábado, 12]. Cheguei aqui e fui informada que o problema continua.”, diz
A dona de casa conta que se sente desamparada, pois nenhuma providência pode ser tomada se ela não fizer o BO. “Minha filha está se sentindo insegura. É um absurdo, não ter tinta na impressora. A menina que agrediu ela ainda mostrou o braço ameaçando minha filha”, conta
A filha de Maria conta que antes de ser agredida, ela foi humilhada e foi vítima de brincadeiras ofensivas por parte da colega, até que a garota lhe agrediu.
“Desde o começo do ano ela ficou me humilhando por causa dos meus cabelos, até que ontem [sexta, 11] ela escreveu 'hastag #umaselagem' no quadro. Me levantei e apaguei, ela veio por trás e me agrediu. Fiquei muito assustada”, conta a garota.
A mãe da menina disse ainda que a aluna que agrediu a filha foi suspensa da escola por dois dias, mas que mesmo assim a filha está com medo do que possa acontecer depois. 
G1 tentou entrar em contato com o secretário de Educação do município, para saber quais ações são tomadas em casos de agressões em escolas, mas não conseguiu contato até a publicação desta matéria.
Já a Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) informou, por meio da assessoria, que a falta de tinta não impede que a realização dos boletins de ocorrência seja feita. "A impressão do BO é somente para a comprovação, e não deve interferir nas elaborações dos mesmos".
A Sesp disse ainda que "há uma determinação geral da Polícia Civil no sentido de que toda e qualquer pessoa que busque o atendimento na capital ou no interior faça o registro independente da falta de sistema, papel ou tinta para que a população não sofra nenhum tipo de prejuízo”.
fonte g1
equipe giro feijó

equipe giro feijó

Comentários desta notícia

Atenção, não somos responsáveis pelo conteúdo do comentário que você escrever aqui, mas podemos exluir se for necessário!
Tecnologia do Blogger.