Última hora
recent

mulher estrangulando criança gera revolta nas redes sociais

Circula nas redes sociais e no WhatsApp um vídeo que mostra uma mulher, que não teve a identidade divulgada, estrangulando uma criança. O episódio, que aconteceu em Curitiba, capital do estado do Paraná, está sendo investigado pela Delegacia do Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Crimes (Nucria). Ainda não foi possível identificar quando o vídeo foi gravado e a motivação da cena de maus-tratos.
Nos 15 segundos do vídeo, recebido por meio do WhatsApp do EXTRA a criança aparece em primeiro plano enquanto a mulher pressiona o pescoço do menino com o antebraço. Ele chora e tosse, segurando o braço da mulher como se tentasse sair do golpe. Em um momento que ela parece diminuir a pressão, a criança chora com mais força e tenta falar algo, que lembra a palavra “mamãe”.

Suspeita de estrangular o filho de três anos, Thays Caroline Chaves, de 21 anos, se apresentou no Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Crimes (Nucri) de Curitiba, no Paraná, na tarde desta segunda-feira. A cena de tortura contra o menino foi registrada em vídeo e gerou bastante indignação após ter sido divulgada em redes sociais.
Durante coletiva de imprensa, a delegada Lucy Santiago, responsável pelas investigações, informou que tomou conhecimento do caso após o registro de um boletim de ocorrência contra Thays, em outra delegacia da capital.
— Assim que soubemos do caso, instauramos um inquérito e iniciamos as diligências, que estão em curso — afirmou.

Segundo Lucy, o vídeo é uma prova contundente contra Thays, que seria de fato a pessoa que aparece nas imagens. No entanto, ressalta que ainda investiga o que ocorreu naquele momento. Familiares da criança, incluindo o pai, estão sendo ouvidos pela polícia.
A delegada informou que ainda avalia se vai solicitar a prisão da jovem, investigada por tortura. A guarda da criança, por sua vez, é uma questão que está sendo avaliada pelo Conselho Tutelar.

O advogado de Thays, Cleyson Landucci, nega que a cliente tenha estrangulado a criança e diz que está apurando o que realmente aconteceu.
— Ela está sofrendo muito. Estamos buscando os responsáveis pela divulgação das imagens. Estamos investigando o que ocorreu. A verdade é diferente do que está sendo mostrado — defende.

O pai do menino, Paulo Braz Machado, afirma que no último sábado (26) Thays foi até a casa dele, no bairro Campo do Santana, com parentes armados que o ameaçaram para levar o filho, que estaria com ele desde que ela lhe enviou os vídeos como ameaça para reatar o relacionamento.
Na tarde de hoje, Thays, Paulo, familiares e outras testemunhas foram ouvidos no Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Crimes (Nucria), responsável pela investigação do caso. A delegada Lucy Santiago disse que um boletim de ocorrência sobre o “rapto” da criança tinha sido registrado em outra delegacia e, por meio de informações repassadas por um investigador, o Nucria assumiu o caso. “Em princípio estamos investigando o crime de tortura”, afirmou a delegada. Ela não confirmou se a mãe será presa. “No decorrer das investigações vamos avaliar esse pedido”. A delegada informou que a criança está bem e que o Conselho Tutelar avalia com quem ela ficará. 
Paulo comentou que não sabe como os vídeos pararam em redes sociais e disse sentir ódio da ex-companheira. "Ela não está dando chance para ele, o direito dele de viver. Ela deixa meio que a criança de lado e dá mais importância para mim", disse. Ele afirmou que Thays tinha agredido o filho outras vezes. 
O advogado comentou ainda que Paulo possui quatro boletins de ocorrência por agressão contra a mãe e contra o filho. O rapaz estaria ainda sendo investigado por homicídio.
fonte  www.parana-online.com.

equipe giro feijó

equipe giro feijó

Comentários desta notícia

Atenção, não somos responsáveis pelo conteúdo do comentário que você escrever aqui, mas podemos exluir se for necessário!

Clique na imagem para entrar em contato

Tecnologia do Blogger.