Última hora
recent

Cliente será indenizada por empresas após ter prótese mamária rompida

A 2ª Turma Recursal dos Juizados Especiais Cíveis da Comarca de Rio Branco manteve a condenação a duas empresas após uma cliente sofrer o rompimento de uma das próteses mamárias. As empresas devem pagar uma indenização de R$ 8 mil por danos morais e ressarcir a cliente em R$ 7 mil por danos materiais. A decisão ainda cabe recurso.
De acordo com a cliente que moveu a ação, mas prefere não ter o nome divulgado, a cirurgia de implante das próteses foi feita em 2009 no Rio Grande do Sul (RS). Porém, no final de 2013, ela diz que começou a sentir dores na mama esquerda. Depois de comprovar o rompimento, precisou ser submetida a um novo procedimento em outubro de 2014.
“No início, eu não sabia o que era. Fiz uns três exames, o médico me passou um remédio e desinchou, mas em 2014, voltou a doer. Eu nem imaginava que teve o rompimento, porque a minha prótese tinha garantia vitalícia”, conta.
Após ser submetida ao novo procedimento, a cliente diz que entrou com a ação na Justiça, uma vez que as fabricantes se negaram a custear as despesas cirúrgicas. Segundo a decisão, as empresas garantiram apenas a substituição das próteses. A primeira cirurgia, em 2009, custou em torno de R$ 5 mil.
A cliente fala ainda que não ficou completamente satisfeita com o valor da indenização, devido à gravidade do problema. O montante dos danos materiais, conforme ela, foi totalmente equivalente aos gastos da segunda cirurgia.
“Não vou dizer que estou satisfeita, só não recorri porque não queria mais protelar o processo. Já é uma coisa tão desgastada. A indenização por dano moral não foi integral, eu tinha pedido um pouco mais. Para um caso desse, poderia ter sido mais, mas o juiz é quem decide. Eu nem imaginava o que poderia acontecer”, acrescenta.
Ruptura foi causada por fatores externos, alegaram empresas
Segundo a decisão, as empresas alegaram que a  ruptura foi causada por fatores externos ao produto e não em razão de defeito nas próteses. Disseram ainda que o problema ocorreu por eventuais excessos cometidos pela mulher ou na hora em que foi implantada pelo médico cirurgião.
O relator do recurso, juiz José Augusto, rejeitou as alegações das empresas, mantendo a sentença proferida pelo 1º Grau. O juiz também disse que não há necessidade de perícia médica, uma vez que a cirurgia emergencial foi decorrente de conclusão médica após os sintomas sentidos pela mulher com o rompimento das próteses mamárias.
fonte   g1.globo.com
equipe giro feijó

equipe giro feijó

Comentários desta notícia

Atenção, não somos responsáveis pelo conteúdo do comentário que você escrever aqui, mas podemos exluir se for necessário!

Clique na imagem para entrar em contato

Tecnologia do Blogger.