Última hora
recent

DNIT confirma que irresponsabilidade de comerciantes com cargas pesadas destruiu a BR-364

O contrato emergencial de recuperação da BR-364, firmado pelo DNIT acaba no próximo mês e, a pedido do governador Tião Viana, o DNIT vai elaborar um projeto para reconstrução total da rodovia que, segundo o superintendente do órgão no Acre e Rondônia, Sérgio Augusto Mamanny, foi praticamente destruída pelo tráfego sem controle de caminhões acima do limite de peso determinado. Essa mesma denúncia foi feita pelo governador Tião Viana e agora recebe a confirmação oficial do órgão federal, que aponta descumprimento da portaria que limita a carga na estrada.
No dia 4 de dezembro do ano passado, o Departamento Nacional de Infra Estrutura e Transporte, o DNIT, publicou uma portaria para regulamentar o peso dos caminhões que trafegam na BR 364, entre Sena Madureira e Cruzeiro do Sul. Foi restabelecido o limite de peso máximo de 18 toneladas para carretas e caminhões trafegarem pelo trecho, com a intenção de evitar que a rodovia sofresse os impactos com o excesso de peso em áreas de solo frágil, como acontece na maior parte da extensão da estrada. A medida, apesar de ser editada a tempo, não funcionou como o órgão pretendia, e menos de trinta dias após de publicada, a estrada já mostrava os efeitos do excesso de carga.
Caso excepcional
O DNIT reconhece que a estrada, no Acre, é um caso excepcional no Brasil pelas características peculiares do solo, que não oferece resistência ao peso, devido à composição predominantemente sedimentar. Por isso, a manutenção é mais cara, os custos são maiores e não se aplica, no caso, os limites estabelecidos pelos órgãos de controle. Essa também sempre foi a posição do governo do Acre, que questiona a falta de conhecimento das instâncias avaliadoras sobre as condições geológicas do Acre.
Da mesma forma, o governo sempre questionou o tráfego de veículos pesados e, no tempo em que a rodovia esteve sob a jurisdição estadual, o controle para evitar excesso de peso era mais rígido. Essa foi a crítica que o governador Tião Viana fez ao movimento de comerciantes de Cruzeiro do Sul que questionam o estado da estrada, sendo que ele considera que são esses mesmos usuários que acabam por destruir o trabalho, limitando-se a cobrar, mas sem colaborar de forma racional para a conservação.
 Carga pesada destrói obras na rodovia
Entre Tarauacá e Cruzeiro do Sul, o trecho de 240 km foi o mais castigado pelos veículos de grande porte que chegam a transportar cargas de até 70 toneladas, e que acabaram por danificar a rodovia mais importante para a integração acreana.
Agora é o superintendente do DNIT, Sérgio Augusto Mamanny, que corroborou a posição sempre defendida pelo governo acreano, depois de analisar relatórios das equipes do órgão que monitoram o tráfego de veículos naquela região do estado.
br-364-tarauacá-cruzeiro-do-sul
A situação piorou muito há cerca de seis meses, quando o governo do Acre devolveu para o DNIT a responsabilidade sobre a BR 364 no trecho que corta seu território. Como a rodovia necessitava de manutenção, o DNIT contratou um consórcio de empresas para realizar as obras de conservação e pequenos reparos e dividiu a rodovia em trechos.
Foram credenciadas as empresas Colorado, Consórcio Meta MSN, Consórcio Gregório e a MSN Industrial LTDA, que juntas, receberam R$ 75,9 milhões. O serviço das empresas, segundo o superintendente, foi executado dentro do cronograma. Mesmo com o contrato acabando no próximo mês, as contratadas não chegaram a suspender as obras.
SONY DSC
Mas quando começou o período chuvoso, o tráfego intenso de carretas, foi decisivo para a destruição de vários trechos da rodovia.
Recuperação
Agora, o DNIT, atendendo solicitação do governo acreano estuda soluções emergenciais e um projeto de reconstrução dos trechos mais críticos. “Estamos revisando o projeto para que seja feito um serviço de pedra jogada. Vamos levar pedra do Abunã para todos os trechos críticos. Isso aumenta em muitos os custos, mas no momento é a única medida que vai aliviar a situação”, explicou Mamanny. Ele admitiu que esse custo extra se deve ao descaso dos comerciantes e moradores do Juruá, que não respeitaram os limites para a conservação da rodovia.
O superintendente foi enfático ao ratificar as palavras do governador do Acre, ao afirmar que as carretas que transportam cargas para a região do vale do Juruá, são os maiores responsáveis pela destruição do asfalto.
Responsabilidade dos comerciantes do Juruá
“Usaram uma brecha na portaria, que permite a passagem de carga com peso acima de 18 toneladas em casos excepcionais. Todo mundo estava usando essa brecha para mandar mercadoria. Solicitei a Polícia Rodoviária Federal uma fiscalização mais rigorosa na balança do Bujari, e se ainda assim continuarem a forçar o tráfego desses caminhões, iremos relatar a situação ao Ministério Público Federal”, disse ele. Os donos da carga acima do limite podem ser responsabilizados judicialmente e obrigados a pagar altas multas que seriam revertidas no serviço de recuperação. É o que defende o governo acreano.
br-364crz-rbr
Sérgio Mamanny se reúne nesta quinta feira (7) em Brasília com a direção nacional do DNIT para apresentar o projeto de licitação para uma nova obra na 364, no Acre, de recuperação total da rodovia. A pedido da superintendência do DNIT no Acre e Rondônia, os engenheiros elaboraram um novo projeto para reconstrução total da rodovia, no trecho entre Sena Madureira e Cruzeiro do Sul.
fonte  www.jornalatribuna.com
equipe giro feijó

equipe giro feijó

Comentários desta notícia

Atenção, não somos responsáveis pelo conteúdo do comentário que você escrever aqui, mas podemos exluir se for necessário!
Tecnologia do Blogger.