Última hora
recent

Cunha vira 1º parlamentar réu na Lava Jato

Por unanimidade, o Supremo Tribunal Federal (STF) transformou Eduardo Cunha (PMDB-RJ) em réu na Operação Lava-Jato. Os 10 ministros que participaram do julgamento votaram pelo recebimento da denúncia por lavagem de dinheiro e corrupção passiva contra o deputado, acusado de ter recebido, no mínimo, US$ 5 milhões em propina por contratos de dois navios-sonda da Petrobras.
Com a decisão da Corte, concluída na tarde desta quinta-feira, o presidente da Câmara é o primeiro parlamentar réu na operação que investiga o esquema de corrupção na estatal. Ele passa a responder à ação penal, que pode levá-lo à prisão no futuro. Aliada de Cunha, a ex-deputada Solange Almeida, atual prefeita de Rio Bonito (RJ), também virou ré no processo.
O STF já havia formado maioria para levar Cunha ao banco dos réus na quarta-feira. Na retomada do julgamento, os ministros Dias Toffoli, Gilmar Mendes, Celso de Mello e Ricardo Lewandowski acompanharam os colegas no recebimento da denúncia contra o peemedebista – em viagem, Luiz Fux não participou da análise.
A Corte acatou em parte a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR). Os magistrados não encontraram indícios de que Cunha participou da contratação dos navios-sonda, entre 2006 e 2007. O parlamentar teria ingressado posteriormente no esquema investigado, com suspeita de ter usado o mandato para pressionar a retomada dos pagamentos de propina, que foram interrompidos por um período. Também há suspeitas da prática de lavagem de dinheiro, inclusive com o uso de conta da Assembleia de Deus, para disfarçar os repasses ilegais.
O primeiro ministro a votar nesta quinta foi Toffoli, que acatou a denúncia contra Eduardo Cunha e abriu divergência sobre Solange. Na situação do presidente da Câmara, o magistrado afirmou que há elementos para torná-lo réu, porém destacou que, com as atuais provas apresentadas, ele não o condenaria. Na análise de Solange, o ministro criticou a acusação pela “ausência de elementos mínimos de participação dolosa¿ da ex-deputada no esquema.
Toffoli não encontrou indícios de que a política sabia a utilidade dos requerimentos apresentados por ela na Câmara, a pedido de Cunha, para cobrar esclarecimentos do Ministério de Minas e Energia sobre as contratações dos navios-sonda. Os requerimentos teriam sido usados para pressionar a retomada dos pagamentos de propina.
Gilmar Mendes acompanhou Toffoli em seu voto. Já Celso de Mello e Ricardo Lewandowski se posicionaram com o relator, pelo recebimento da denúncia contra Cunha e Solange. Com a abertura da ação penal, será feita a instrução do processo, com depoimentos de testemunhas e dos próprios réus, e a produção de provas. Não há previsão de data para que o caso seja julgado no plenário do STF.
A ação penal não é a única dor de cabeça de Cunha, que enfrenta um processo por quebra de decoro no Conselho de Ética da Câmara, investigação capaz de cassar o seu mandato. O STF também terá de avaliar nos próximos meses o pedido da PGR para afastar o parlamentar da presidência da Câmara e do mandato, por suspeitas de usar o cargo para atrapalhar as investigações da Lava-Jato.
Cunha ainda é investigado em um inquérito no STF que apura se ele é o dono de contas não declaradas na Suíça, abastecidas com dinheiro desviado de contratos da Petrobras para exploração de petróleo na África. A PRG também pediu a abertura de outro inquérito para apurar se o peemedebista solicitou e recebeu propina de cerca de R$ 52 milhões do consórcio responsável pelas obras do Porto Maravilha, no Rio de Janeiro.
fonte  www.jornalatribuna.com
equipe giro feijó

equipe giro feijó

Comentários desta notícia

Atenção, não somos responsáveis pelo conteúdo do comentário que você escrever aqui, mas podemos exluir se for necessário!
Tecnologia do Blogger.