PM prende acusado de estuprar e arrancar coração de garota de 10 anos em MG - Giro Feijó

Post Top Ad

Responsive Ads Here
PM prende acusado de estuprar e arrancar coração de garota de 10 anos em MG

PM prende acusado de estuprar e arrancar coração de garota de 10 anos em MG

Share This
Acusado de estuprar, assassinar e tirar o coração de uma garota de 10 anos, em Buenópolis (MG), Jairo Lopes, 42, foi preso na zona rural de Joaquim Felício (MG) na manhã desta quarta-feira (8). Após cinco dias de caçada ao suspeito, que envolveu uma equipe de 30 homens e um helicóptero da PM (Polícia Militar), Lopes foi encontrado escondido em um matagal, próximo a uma fazenda.
De acordo com a PM, durante esse período, Lopes adotava estratégias para dificultar sua captura, como andar no meio do mato usando apenas uma calça jeans, sem camisa, o que dificultava a sua visualização.
Trabalhadores rurais da propriedade rural saíam pela manhã para a lavoura, quando encontraram Lopes escondido na mata, numa área próxima à rodovia BR 135. O acusado foi reconhecido imediatamente e amarrado com cordas pelos trabalhadores, que chamaram a PM. De acordo com a polícia, houve um início de aglomeração e algumas pessoas que estavam no local tentaram agredir Lopes, mas foram contidas.
Após a prisão, ele foi levado de helicóptero da PM para Curvelo (MG), onde será ouvido por um delegado da Polícia Civil. O MP (Ministério Público) de Minas Gerais também vai acompanhar o caso. Durante a viagem, ele negou ter cometido o crime. Não foi ainda designado um advogado para fazer a defesa do acusado.
Segundo o tenente-coronel Giovanni Idalmo de Faria, responsável pela operação de prisão do acusado e que o acompanhou na viagem de helicóptero, Lopes aparentava tranquilidade.
"Tivemos que tirá-lo rapidamente do local por causa das revolta dos moradores. Em conversa que tivemos, ele confirmou ser autor de um homicídio no passado, mas não confirmou ser autor do crime contra a garota", disse.
Lopes é acusado de estuprar, assassinar e retirar o coração da garota Raiane Aparecida Cândida, 10, no distrito de Siriema, em Buenópolis, na semana passada. Ele era vizinho da garota.
Antes do crime, Lopes já era procurado pela polícia por homicídio, outro estupro e roubo. Ele usava identidade falsa e, uma semana antes de matar a menina, apareceu no imóvel em que a garota morava com a família.
A garota não tinha sido mais vista após sair de casa sozinha para ir à escola na manhã de quarta-feira (1º). O pai da menina disse que normalmente a filha voltava para casa por volta das 14h. Como a criança não apareceu, ele foi até a escola, onde foi informado que Raiane não havia aparecido. O motorista do ônibus escolar contou que passou no ponto em que costumava pegar a estudante, mas ela não estava.
Com o registro do desaparecimento da garota, policiais civis e militares começaram a fazer buscas no município. Na quinta-feira (2), a estudante foi encontrada na zona rural de Buenópolis. Seu corpo estava coberto. Além de sinais de abuso sexual, tinha diversas lesões e uma perfuração no estômago. Seu coração não foi encontrado.
A menina era filha caçula e tinha um irmão de criação de 18 anos. Há cerca de oito meses, sua mãe morreu e ela era criada pelo pai e pela avó materna.
Jairo Lopes  confessou ter estuprado, matado e arrancado o coração de Raiane Aparecida Cândida, 10, sua vizinha.
Ele disse para a polícia também onde enterrou o coração da garota, próximo de casa. Equipe de agentes da PC (Polícia Civil) de Minas Gerais vai fazer buscas no local nesta quinta-feira (9).
Segundo o delegado da PC (Polícia Civil) de Minas Gerais Vítor Amaro Bedushi, que ouviu o depoimento do acusado na tarde desta quarta-feira (8), na delegacia de Curvelo, Lopes contou detalhes do crime, confessou os abusos sexuais e estupro, o assassinato, e ter arrancado o coração da garota.
Lopes disse ainda, de acordo com o delegado, ter cometido três estupros, dois homicídios e dois roubos. Ele estava foragido da Justiça há três anos e usava nome e documentos falsos. 
Uma das linhas de investigação do delegado é que a motivação do crime foi a prática de magia negra.
O delegado disse que Lopes estava confuso durante o depoimento, mas chegou a falar em magia negra. Outros fatores que levam o delegado a acreditar na possibilidade de magia negra é a tatuagem que o acusado tem nas costas em referência a uma seita.
Sem advogado ou defensor público nomeado, o Ministério Público Estadual acompanhou o depoimento.
fonte  noticias.uol.com.br

Videos

Post Bottom Ad

Responsive Ads Here

Pages