Acreano se torna herói em conquista olímpica do futebol brasileiro: “Pátria amada, o ouro é nosso!” - Giro Feijó

Post Top Ad

Responsive Ads Here
Acreano se torna herói em conquista olímpica do futebol brasileiro: “Pátria amada, o ouro é nosso!”

Acreano se torna herói em conquista olímpica do futebol brasileiro: “Pátria amada, o ouro é nosso!”

Share This

O goleiro Weverton foi o grande herói da seleção brasileira na vitória sobre a Alemanha na disputa por pênaltis na final do futebol neste sábado e o Brasil levou o ouro. Ele é o segundo acreano medalhista numa Olimpíada. O primeiro foi Carlão, da seleção de vôlei nos jogos de Barcelona em 1992, que, assim como o arqueiro da Seleção Brasileira Olímpica, levou o ouro.
O goleiro do Atlético Paranaense defendeu um pênalti e o Brasil venceu a Alemanha por 5 a 4.
Outra marca de Weverton em relação ao Acre é que ele é o terceiro acreano a defender o Brasil numa disputa de Olimpíadas. O capitão do Vôlei Carlão foi o primeiro e a jogadora de futebol de campo Sônia Roque, que disputou os Jogos Olímpicos de Atlanta/Estados Unidos, em 1996, a segunda. Ela, porém, não conseguiu ganhar medalha naquela edição dos Jogos porque o Brasil ficou em quarto lugar ao perder para a seleção da Noruega.

weverton
Aos cinco minutos do primeiro tempo, Weverton foi exigido pela primeira vez ao ter que tirar a bola da área do Brasil com os pés após tentativa de ataque dos alemães.tuação de Weverton no jogo
Aos 30 da etapa inicial, o acreano fez duas belas defesas seguidas salvando o Brasil. Mas aos 13 do segundo, Weverton levou gol dos alemães por causa de uma falha de marcação da defesa brasileira. Foi o único gol sofrido por ele nas Olimpíadas.

111_weverton_in_400
Nascido no Acre e revelado pelas mãos do ex- técnico Illimani Suares, o nome do goleiro Weverton Pereira da Silva, 28 anos, foi convocado para a seleção olímpica em substituição ao palmeirense Fernando Prass.
Menino pobre da periferia de Rio Branco chegou ao Juventus-AC pelas mãos do treinador e ex-goleiro Illimani Suares, antes havia passado por algumas escolinhas de futebol como o Recriança, inclusive atuando como atacante. Foi lapidado e aos 16 anos estreou no profissionalismo vestindo a camisa do AC Juventus, em 2004.
Um ano depois, na disputa da Copa São Paulo de Juniores, o arqueiro apareceu nacionalmente. Weverton foi o principal destaque na vitória apertada do Corinthians sobre o Juventus por 1 a 0. O acreano pegou tudo naquela memorável partida do dia 5 de janeiro de 2005. Espantados com a atuação do acreano, os dirigentes do clube Paulista do Parque São Jorge o convidaram para teste.
Aprovado nos testes, Weverton ficou no Corinthians por mais de dois anos e ainda chegou a integrar o time alvinegro do Parque São Jorge na conquista do título da Série B 2008. No entanto, como não era aproveitado pelo então técnico corintiano Mano Menezes – oscilava entre o terceiro e quarto goleiro (Júlio César, Felipe e Rafael Santos eram os demais) acabou emprestado para o Clube do Remo. O acreano ainda passou por América/RN, Oeste de Itápolis, Botafogo-SP, Portuguesa e Atlético Paranaense, esse desde 2012.


Uma ‘prensa’ de seu ex-técnico

A saudade de casa, sobretudo, da namorada, logo bateu e ele fugiu do CT corintiano para voltar à sua Rio Branco. Poderia ter sido o fim de sua curta história no futebol. Uma ‘prensa’ de seu ex-técnico o recolocou no lugar, no entanto.
“Ele estava decidido a ir embora. Falei, então: ‘meu filho, mulher tem em todo canto, pense um pouco, ponha a cabeça no lugar e veja onde você mora’. Sempre foi um menino humilde, a família também era, moravam num bairro extremamente pesado”, relembra o treinador Illimani Suares, que o acompanhou na vinda para São Paulo, ao ESPN.com.br.
“Perguntei: ‘o que você vem fazer na baixada? Será mais uma vítima de tudo ali. Seja um pouquinho mais forte, esse negócio de saudade de mamãe, papai, namorada, depois você terá condição de matar de maneira salutar”, prossegue.
E é o que acontece hoje: a mãe, por exemplo, mora ao seu lado em Curitiba.
111_weverton_in_900
‘Atacante’ Weverton
A boa saída de bola e a cobertura dos zagueiros (falso líbero) chamam atenção da comissão técnica brasileira. O jogador justifica isso ao fato de, ainda garoto, atuar como atacante. “Eu era atacante e vem aquela velha história de que faltou goleiro, tinha que botar alguém pra jogar no gol, eu fui e arrebentei no gol. Um olheiro do Juventus-AC me viu jogar, me chamou. Eu comecei de 9, fazendo gol. Mas como eu fui muito bem no gol, ficou a dúvida. Para mim era diversão, mas virou verdade e eu estava no Corinthians como goleiro. Minha grande vontade era ser atacante.”
No início da carreira, o goleiro Weverton teve como ídolos os goleiros Marcos e Dida, não somente pelas duas ‘muralhas’ que eram em suas balizas, mas pela personalidade e o carisma. Outro nome citado pelo acreano diz respeito ao goleiro Rogério Ceni, ora pelas boas defesas, ora pela qualidade com a bola nos pés, isso sem falar das centenas de gols em cobranças de faltas e penalidades.
A respeito da personalidade de jogar com os pés, ele disse que a chegada do treinador Paulo Autuori ao Atlético Paranaense contribuiu para usar mais essa ferramenta de sair jogando com os pés.
111_frases_weverton
FRASES “Eu me sinto à vontade jogando com os pés”“
A gente corre mais na subida. Quem está no centro, corre na reta. Nós, do Norte, temos que provar mais, mostrar ser mais capaz que os demais…”
Clubes: Atlético-PR, Corinthians, Clube do Remo, Oeste, América-RN, Botafogo-SP e Portuguesa.
fonte  www.ac24horas.com

Videos

Post Bottom Ad

Responsive Ads Here

Pages