Embarcação naufraga e empresário estima prejuízo de R$ 100 mil no Acre - Giro Feijó

Post Top Ad

Responsive Ads Here
Embarcação naufraga e empresário estima prejuízo de R$ 100 mil no Acre

Embarcação naufraga e empresário estima prejuízo de R$ 100 mil no Acre

Share This
O empresário Elcir Pedrosa, de 57 anos, estima um prejuízo de R$ 100 mil após perder cerca de 10 toneladas de mercadorias durante um naufrágio no Rio Juruá, na semana passada, em Ipixuna, no Amazonas. O barco saiu de Cruzeiro do Sul para a cidade amazonense onde as mercadorias seriam vendidas.
Pedrosa liga o acidente ao baixo nível do Rio Juruá, que passa pela sua pior seca dos últimos cinco anos. Nesta segunda-feira (26), o nível do rio está em 2,45 metros. Há mais de 20 anos, Pedrosa navega pelas águas do Rio Juruá e disse que nunca tinha sofrido nenhum acidente como esse.
“O barco afundou por completo. Tinha muita mercadoria e marreteiros para realizar vendas em Ipixuna, no novenário de São Francisco”, conta o empresário.
Ele disse ainda que os prejuízos ultrapassaram R$ 100 mil em mercadorias, barco, motor, entre outros prejuízos. “Cerca de R$ 100 mil, perdi o frete da viagem, teve as mercadorias que eram 10 toneladas entre roupas e calçados. Muito triste mesmo”, lamentou.
Mercadoria seria vendida em novenários que ocorreu na cidade amazonense Ipixuna  (Foto: Reprodução/WhatsApp)
Pedrosa alegou que a baixa do rio faz com que a navegação, além de mais demorada, se torne mais perigosa. “Eu nunca vi nada parecido. Navego há muitos anos e nada se compara a isso. Estamos demorando cerca de cinco dias para chegar em Cruzeiro do Sul e mais três dias para chegar em Ipixuna, coisa que fazia em no máximo dois ou três dias”, afirmou.
Entenda o caso
A seca do Rio Juruá em Cruzeiro do Sul vem trazendo alguns prejuízos para quem utiliza o manancial como fonte de renda. Desde agosto, os níveis do rio passaram a sofrer um decréscimo recorrente com poucos dias de estabilidade.
O Rio Juruá atingiu o nível histórico mais baixo já registrado em Cruzeiro do Sul desde 2011, ano em que o manancial começou a ser monitorado. Conforme medição do site da Agência Nacional de Águas (ANA), as águas marcaram 2,29 no dia 17 de setembro.
fonte  g1.globo.com

Videos

Post Bottom Ad

Responsive Ads Here

Pages