Última hora
recent

AC é 5º estado com maior nº de sífilis na gestação, diz Ministério da Saúde

O Acre é o quinto estado com maior número de casos de sífilis na gestação, com uma taxa de 18,3 casos a cada mil nascidos vivos. O número é muito acima da média nacional, que é de 11,2.
O estado fica atrás apenas dos estados do Mato Grosso do Sul (21,9), Rio Grande do Sul (20,2), Espírito Santo (19,3) e Rio de Janeiro (18,4). Os dados, divulgados pelo Ministério da saúde nesta quinta-feira (20), são do Boletim Epidemiológico de 2016.
Ao G1, o responsável pelo Departamento Técnico de HIV e Aids no Acre, Nelson Guedes alega que o número é alto, mas não é tão ruim, pois significa que as pessoas estão procurando tratamento para a doença e sendo identificadas pela atenção básica de saúde.
"O diagnóstico precoce é o primeiro passo. Isso mostra que a população está fazendo o teste rápido que é ofertado nas unidades ou na maternidade. Infelizmente, muitas vezes as gestantes não identificam a doença por não terem feito o pré-natal adequado, ou seja, as sete consultas", lamenta.
Ao mesmo tempo em que registra um número tão alto da doença durante a gestação, os dados do Ministério apontam que o Acre registrou apenas 4 casos a cada mil nascidos vivos de sífilis congênita - quando a doença é transmitida à criança durante a gestação pela mãe infectada. A taxa é 2,5 menor que a média nacional de 6,5 casos.
"Esse contraste entre a sífilis durante a gravidez e a sífilis congênita mostra que as ações das unidade de saúde estão dando resultados. A grávida precisa fazer o pré-natal de maneira regular. Se ela fizer isso as chances de a doença ser detectada de forma precoce é bem grande, dessa maneira a mãe está garantindo a saúde dela e do filho", explica.
A detecção da sífilis é feita por meio de testes rápidos disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS). Segundo o Ministério da Saúde, a indicação da realização dos testes rápidos para as gestantes é feita já na primeira consulta do pré-natal. O órgão faz um alerta sobre a importância das mães e seus parceiros iniciarem o pré-natal ainda no primeiro trimestre da gravidez.
"Muitas vezes a gente não consegue tratar o parceiro dessa gestante. Estamos criando mecanismos para buscar essa pessoa, pois a mãe vai voltar a ter relação sexual e vai ser infectada novamente. Existe muito preconceito ainda, as pessoas às vezes não possuem informações, não procuram se consultar com frequência e isso dificulta o tratamento. Pedimos que as pessoas usem preservativos para evitar outras doenças como HIV e hepatites", destaca.
Casos de sífilis registrados no Brasil
O Ministério da Saúde afirmou que os tipos de sífilis - adulto, em gestantes e congênitas (em bebês) - são notificados obrigatoriamente no país há pelo menos cinco anos. Segundo dados do Boletim Epidemiológico entre os anos de 2014 e 2015, os casos de sífilis adquirida tiveram um aumento de 32,7%, de sífilis em gestantes 20,9% e congênita, de 19% em todo o país.
O número de casos notificados da doença no Brasil foi de 65.878 em 2015. De acordo com o órgão, a maioria dos casos são registrados em homens, 136.835 (60,1%). Em gestantes, no ano de 2015, a taxa de detecção da sífilis foi de 11,2 casos de sífilis em gestantes a cada 1.000 nascidos vivos, considerando o total de 33.365 casos da doença.
A doença
A sífilis congênita pode causar má-formação do feto, nascimento prematuro, aborto e até a morte do bebê. Os que nascem vivos têm a saúde comprometida. Na maioria dos casos, a sífilis se manifesta logo após o nascimento, mas a doença pode se manifestar até os dois anos de vida. A criança doente pode apresentar pneumonia, feridas no corpo, cegueira, dentes deformados, surdez, dificuldade de aprendizagem, retardo mental e deformidades ósseas.
Nas mulheres e nos homens, os primeiros sintomas da doença são pequenas feridas nos órgãos sexuais e caroços nas virilhas (ínguas), que surgem entre a 7 e 20 dias após a contaminação. Se progredir, a doença pode causar manchas em várias partes do corpo (inclusive mãos e pés) e queda dos cabelos. A doença pode ser transmitida por relação sexual sem preservativo com pessoa infectada, por transfusão de sangue contaminado ou da mãe infectada para o bebê durante a gestação ou o parto.
Tratamento
O exame de sangue para identificar a doença deve ser feito ainda no primeiro trimestre da gravidez nas Unidades de Atenção Básica, nas redes municipais de saúde, e nos serviços que realizam pré-natal pelo SUS. Recomenda-se que o teste seja repetido no terceiro trimestre de gestação e, novamente, antes do parto.
Por isso, todos os bebês que nascem na rede pública de saúde devem realizar o exame para identificar a doença. Em caso positivo, a criança precisa ficar 10 dias internada para receber a medicação adequada, o que muitas vezes aumenta o tempo de internação também das mães.

fonte  g1.globo.com
equipe giro feijó

equipe giro feijó

Comentários desta notícia

Atenção, não somos responsáveis pelo conteúdo do comentário que você escrever aqui, mas podemos exluir se for necessário!
Tecnologia do Blogger.