Última hora
recent

Após rebelião, governo federal deve liberar mais de R$ 3 milhões ao AC

A capital do Acre, Rio Branco, vem passando por uma grave crise no sistema penitenciário devido à rivalidade entre duas facções que ocasionou rebeliões, ataques a presídios e uma onda de execuções. O estopim dessa guerra foi na noite desta quinta-feira (20), quando os presos se rebelaram e tomaram conta de três pavilhões da FOC. Agentes do Batalhão de Operações Especiais (Bope) entraram na unidade e, inicialmente, conseguiram retomar os pavilhões
L e K. O Pavilhão J foi o último a ser controlado.
Após a rebelião, o governador do Acre, Tião Viana, chegou a informar que estava em negociação para que o Estado recebesse do Ministério da Justiça o valor de R$ 3 milhões para ações nos presídio do Acre. Nesta sexta (21), o ministério confirmou que os repassses devem ser de R$ 3,2 milhões. Os valores
- Central de Monitoramento Eletrônica - R$ 1.036.316, 68
- Central de Alternativas Penais: R$ 1.744.940,11
- Unidades. Básicas de Saúde: R$ 432.856,14
- Total: 3,2 milhões
Nem o governo do Acre e nem o ministério confirmaram a data que esses recursos devem ser liberados.
"O governo fez tratativa com o ministério da justiça e o órgão assinalou que vai repassar os R$ 3 milhões para as medidas de segurança, mas a data não confirmada", disse o governador.
Briga de facções no Acre
Desde domingo (16), o Acre registra uma onda de execuções. O estopim dessa guerra aconteceu na noite de terça-feira (18), quando ao menos 25 criminosos de um grupo organizado armaram uma emboscada para matar presos do semiaberto ligados a uma facção rival. Quatro pessoas foram feridas e apenas um criminoso preso.
O ataque aconteceu na Unidade Prisional 4 (UP4), quando os presos voltavam para dormir na unidade. No dia seguinte, o governo acionou 500 homens do Exército, destes 200 ficaram em Rio Branco e o restante em cidades da fronteira. Além disso, os 380 da chamada "Papudinha" foram liberados do pernoite até esta sexta-feira (21).
O presídio Francisco d'Oliveira Conde (FOC) também registrou um início de motim na quarta (19). O motim iniciou no pavilhão I, conhecido como "Chapão", onde ficam os sentenciados. A assessoria do Iapen confirmou que um grupo de presos começou a bater nas grades e a gritar, mas a situação foi contida a tempo. A visita íntima foi suspensa devido ao ataque registrado na noite anterior.
Na quinta-feira (20), uma briga durante o banho de sol no FOC deixou um ferido em Rio Branco. A Secretaria de Segurança Pública do Acre (Sesp-AC) informou que os presos usaram estoques durante a confusão no pátio da unidade.
No mesmo dia, durante a entrega de marmitas no presídio, os presos se rebelaram e tomaram conta de três pavilhões da FOC. Agentes do Batalhão de Operações Especiais (Bope) entraram na unidade e, inicialmente, conseguiram retomar os pavilhões L e K. O Pavilhão J foi o último a ser controlado.
No total, quatro presos morreram. Um chegou a ser socorrido no Hospital de Urgência e Emergência, mas não resistiu. Além disso, 19 ficaram feridos. Na manhã desta sexta, a sede do Instituto Médico Legal (IML) ficou movimentada familiares para o reconhecimento dos corpos estão separados da seguinte forma, segundo o Ministério da Justiça:
fonte  g1.globo.com

equipe giro feijó

equipe giro feijó

Comentários desta notícia

Atenção, não somos responsáveis pelo conteúdo do comentário que você escrever aqui, mas podemos exluir se for necessário!
Tecnologia do Blogger.