Última hora
recent

Consórcio mineiro ganha licitação de recuperação da BR-364 Que Começa na Primeira Quinzena de Novembro

O supervisor do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte no Acre (Dnit), Tiago Rodrigues Gonçalves Caetano informou no dia de ontem, que a retomada das obras de recuperação da BR-364, começa na primeira quinzena deste mês de novembro. O empreendimento que estava orçado em torno de R$ 300 milhões, segundo ele, será executado pelo consórcio mineiro (empresas LCM e TCL) por apenas 220 mi. “Por enquanto, estamos aguardando a confirmação do ministro dos Transportes, Maurício Quintella Lessa, para assinar a ordem de serviço”,destacou.
Explicou que nesta primeira etapa é fazer o trabalho de recuperação dos trechos mais críticos entre Sena Madureira e o Rio Liberdade, no município de Tarauacá (Vale do Envira), para garantir a trafegabilidade na estrada na época do inverno. No próximo ano, começa o trabalho de recuperação dos trechos danificados, para a pavimentação asfáltica. “Como o inverno amazônico está próximo não temos como fazer muita coisa, mas os recursos estão garantido para a recuperação deste trecho”, comemorou.
Empresas preteridas em licitação da BR-364 chegaram a ingressar com recurso questionando resultado do certame na superintendência do Dnit Rondônia\Acre, mas perderam a fase recursal. Uma empresa acreana e outra mineira questionaram o resultado das empresas vencedoras dos seis lotes licitados de terem apresentado um valor muito abaixo do preço praticado no mercado.
Afinal, uma única empresa tinha abocanhado três lotes, a outra mais dois lotes e uma terceira um único lote, com propostas giraram em torno de 23 a 26% abaixo do valor do pregão. A obra estava orçada em torno de R$ 300 milhões, mas um consórcio CCL e LCN) apresentou uma contraproposta de R$ 220 mi, com deságio de R$ 80 mi, em comparação do valor orçado pelo Dnit. Cerca 14 empreiteiras, sediadas nos estados do Acre, Rondônia, Goiás Mato Grosso e São Paulo, participaram do certame, mas abocanhou todos os seis lotes licitados duas empresas mineiras e uma rondoniense. Os dois consórcios acreanos, o primeiro composto pelas empresas Colorado e Aline Pinheiro e a segunda, pelas empreiteiras Castilho e MSM ficaram de fora, porque as propostas apresentadas estavam acima do valor dos concorrentes.
jornalatribuna
equipe giro feijó

equipe giro feijó

Comentários desta notícia

Atenção, não somos responsáveis pelo conteúdo do comentário que você escrever aqui, mas podemos exluir se for necessário!
Tecnologia do Blogger.