Última hora
recent

FPA tenta ganhar eleição no tapetão nas cidades de Feijó e Tarauacá

Marilete e Kiefer, prefeitos eleitos por Tarauacá e Feijó, respectivamente
A vantagem construída no primeiro turno por Kiefer Cavalcante, em Feijó e Marilete Vitorino, em Tarauacá, no Acre, parece que não foi o suficiente para tranquilizar a Frente Popular do Acre (FPA). A máquina judicial entrou em ação em um virtual segundo turno.
Uma ação de investigação eleitoral (AIJE) foi representada pela FPA I em Tarauacá contra a coligação Avança Tarauacá I, que teve a candidata eleita, Marilete Vitorino, do PSD e seu vice, Chico Batista, do PP.
Na terra do abacaxi grande, a FPA pede que a chapa vencedora tenha o registro de candidatura cassado ou a cassação do diploma, em caso de os candidatos já terem sido diplomados. Segundo a denúncia, prefeito e vice-prefeito cometeram crime eleitoral de captação ilícita de sufrágio e abuso do poder econômico.
Consta nos autos que Marilete Vitorino doou um tatame para uma academia de lutas da cidade avaliada em R$ 8 mil em troca de votos. Ainda de acordo o advogado Emerson Soares Pereira, que assina a ação pela FPA, Marilete fez promessa de doar quarenta litros de gasolina para um eleitor serrar a madeira de sua casa, acusa ainda, apoiadores terem doado gasolina como forma de pagamento de votos.
Em Feijó, o candidato a prefeito Kiefer Cavalcante teve vários documentos apreendidos da sede da coligação. Segundo o escritório Silva & Frota, o juiz e o promotor do município estavam dificultando o acesso do prefeito eleito aos documentos, “praticamente inviabilizando a prestação de contas do candidato” acrescentou o advogado Everton Ramos.
A banca precisou entrar com um mandado de segurança com pedido de liminar junto à Justiça Eleitoral para ter acesso aos documentos apreendidos e possibilitar o fechamento da prestação de contas de Kiefer Cavalcante. O relator foi o juiz da 7ª zona, Guilherme Michelazzo Bueno.
O OUTRO LADO:
A prefeita eleita Marilete Vitorino conversou com a reportagem assim que desembarcou em Rio Branco ontem (26) à noite vindo de Brasília. Ela disse que com relação ao tatame, a sua assessoria jurídica foi quem provocou o Ministério Público demonstrando através de vídeo que a denúncia foi mais uma armação contra a coligação.
“Eu nunca doei tatame nenhum, sempre disse que, os que quisessem votar em mim seria por confiança no meu projeto e do vice, Chico Batista”, disse a prefeita.
Ela afirmou ainda que não tem conhecimento das demais denúncias e não sabe se todas elas estão em uma mesma ação. “O que eu posso garantir é que fizemos uma campanha limpa, pés no chão levando muita esperança ao povo de Tarauacá”, concluiu.
A reportagem tentou sem sucesso falar com o prefeito eleito Kiefer Cavalcante.
fonte ac24horas
equipe giro feijó

equipe giro feijó

Comentários desta notícia

Atenção, não somos responsáveis pelo conteúdo do comentário que você escrever aqui, mas podemos exluir se for necessário!

Clique na imagem para entrar em contato

Tecnologia do Blogger.