Precisamos de sua ajuda para a jovem Fabiola - Giro Feijó

Post Top Ad

Responsive Ads Here
Precisamos de sua ajuda para a jovem Fabiola

Precisamos de sua ajuda para a jovem Fabiola

Share This
A Fabíola está com uma doença rara chamada púrpura muito agressiva causada pela mesma bactéria que causa miniginte ela já atingiu os pulmões e parte do cérebro... O caso é realmente grave estão tentando transferir ela pra Goiânia. Vamos colocar nossos corações nessa causa e façamos orações intercessorias pela vida dela e de toda A família.
Contato:999761985 Vladia Silva Clique aqui para mensagens via Facebook
Fabíola 

Se ela for transferida para Goiânia estaremos fazendo uma rifa pois a família não está preparada financeiramente. Aqueles que tem sensibilidade de coração e quiserem ajudar procurem o Irmão Mauro.

Púrpura trombocitopênica imunológica é uma doença autoimune que se caracteriza pela destruição das plaquetas, células produzidas na medula óssea e ligadas ao processo de coagulação inicial do sangue.
O nome está diretamente relacionado às principais manifestações da enfermidade. Púrpura é uma referência às manchas roxas ou avermelhadas indicativas de sangramentos que aparecem na pele; trombocitopênica, em razão da trombocitopenia, ou seja, do sangramento provocado pela queda no número de plaquetas.
A enfermidade afeta uma em cada 10 mil pessoas e incide mais nas mulheres em idade fértil do que nos homens. Crianças podem apresentar uma forma aguda e autolimitada de PTI, em geral decorrente de um quadro infeccioso viral.
Sintomas
Os sintomas surgem quando a queda do número de plaquetas compromete o processo de coagulação do sangue a ponto de provocar sangramentos. Os mais típicos são os sangramentos que se localizam na pele ou nas mucosas sob a forma de petéquias (manchas puntiformes) ou equimoses (manchas maiores). Podem ocorrer também sangramentos nasais (epistaxes), nas gengivas, gastrintestinais e no trato urinário. A ocorrência de edemas, dor nas pernas e hemorragias menstruais são mais difíceis de controlar.
A intensidade dos sintomas varia muito de um paciente para outro. Em alguns casos, eles podem ser assintomáticos e dispensam tratamento.
Diagnóstico
O diagnóstico baseia-se no exame clínico e no resultado do hemograma. Uma vez constatado que o número de plaquetas está baixo, é de suma importância fazer o diagnóstico diferencial, porque doenças como aids, lúpus, leucemias e certas infecções virais também provocam queda no número de plaquetas.
Tratamento
Na infância, pode ocorrer remissão espontânea da doença, o que raramente acontece na vida adulta.
O tratamento com cortiscosteroides (prednisona) por via oral visa controlar os sintomas e provocar aumento gradual das plaquetas no sangue. O risco de sangramento diminui consideravelmente, quando a contagem das plaquetas atinge 50 mil. Por causa dos efeitos colaterais adversos, o medicamento deve ser retirado aos poucos ou reduzido a doses mínimas o mais depressa possível.
Doses altas de imunoglobulina por via intravenosa são úteis para conter os sangramentos agudos e elevar a contagem de plaquetas.
Como grande parte da produção de autoanticorpos e destruição das plaquetas ocorre no baço, em algumas situações, a remoção cirúrgica desse órgão (esplenectomia) pode estar indicada.
Recomendações
* Sangramentos provocados pela baixa contagem de plaquetas são facilmente visíveis sob a pele ou mucosas. A presença inexplicável de pequenos pontos ou de manchas arroxeadas espalhadas pelo corpo deve ser um sinal de alerta. Procure assistência médica para diagnóstico e tratamento, se necessário;
* Em geral, a púrpura trombocitopênica imunológica tem bom prognóstico, desde que devidamente tratada.

Videos

Post Bottom Ad

Responsive Ads Here

Pages