Última hora
recent

Feijo faz manifestação contra PEC do Fim do Mundo

A cidade parou na manhã desta sexta feira (11), quando vários setores públicos, como saúde, educação, sindicatos e vários membros da sociedade se reuniram na praça dos três poderes, no centro de Feijó para protestar contra a PEC 241.
pic001
Hoje não houve aula nas escolas públicas, nem atendimento na maioria dos órgãos publicos de Feijó.
pic012
Os vereadores, Tarcisio, Mauro Deferson e Cabeça do Sindicato estiveram no movimento juntamente com a coordenadora do Núcleo de Educação Cardoci Paiva e sua equipe.
Durante a menifestação a equipe organizadora da paralisação repassou o número de celulares dos senadores, Gladson Cameli e Sérgio Petecão e convidou todas os participantes do evento a enviar de uma só vez, mensgens de SMS para os senadores, dizendo não à aprovação da prospota.
Em discurso, o vereador Tarcisio disse que esses dois senadores são favoráveis à PEC, por isso o motivo do envio das mensagens via celular.
pic003
A manifestação em Feijó acontece durante todo o dia de hoje.
Entenda a PEC 241 de forma resumida
Apresentada pela equipe econômica do governo Michel Temer, a Proposta de Emenda à Constituição 241, que pretende congelar gastos em saúde e educação por 20 anos, avança com rapidez no Congresso Nacional. Um primeiro relatório, favorável à aprovação da proposta, foi apresentado na terça-feira (4), na comissão especial que trata do assunto na Câmara dos Deputados e aprovado na quinta-feira (6).
Autor da medida, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, classificou a PEC 241 de “dura” e admitiu o propósito de limitar os gastos com saúde e educação, que atualmente são vinculados à evolução da arrecadação federal.
pic005
Tais vinculações expressam conquistas sociais garantidas na Constituição Federal de 1988 com o objetivo de priorizar e preservar o gasto público nessas áreas fundamentais, independentemente do governo que estivesse no poder.
Quais são as críticas à PEC 241?
Ao colocar um limite para os gastos da União pelas próximas duas décadas, a PEC 241 institucionaliza um ajuste fiscal permanente e ignora uma eventual melhora da situação econômica do País. De acordo com a proposta, a regra que estabelece o teto de gastos a partir da correção da inflação não poderá ser alterada antes do décimo ano de vigência.
O prazo final dessa política de austeridade se completaria em 20 anos. Dessa forma, o Novo Regime Fiscal proposto pelo governo Temer retira da sociedade e do Parlamento a prerrogativa de moldar o orçamento destinado a essas áreas, que só poderá crescer conforme a variação da inflação.
fonte  www.feijo24horas.com
equipe giro feijó

equipe giro feijó

Comentários desta notícia

Atenção, não somos responsáveis pelo conteúdo do comentário que você escrever aqui, mas podemos exluir se for necessário!

Clique na imagem para entrar em contato

Tecnologia do Blogger.