Última hora
recent

homem tenta vender dente de mastodonte em página do Facebook

O servidor público Dolmar Cavalcante, de 37 anos, postou um anúncio esta semana no Facebook tentando vender uma arcada dentária de um animal pré-histórico. Ele diz ter encontrado o fóssil há dois anos em um barranco do Rio Juruá, em Marechal Thaumaturgo, interior do Acre, e pretende vender a peça para ganhar um dinheiro extra e consertar o carro.
Ao G1, o doutor em paleontologia, Jonas Filho, explica que a peça trata-se de um fragmento mandibular esquerdo, com um dente preservado, de um mastodonte, elefante primitivo. Ele destaca ainda que a peça não é inédita, mas que tem uma importância científica.
"Os mastodontes foram abundantes durante o período Pleistoceno na América do Sul e seus achados fósseis estão bem representados no Acre, principalmente na região onde hoje seus sedimentos são cortados pelo rio Juruá e afluentes", explica Filho.
A peça, segundo Cavalcante, foi encontrada durante uma pescaria com amigos e que chegou a procurar informações sobre o animal.
"Fui pescar com uns amigos e, na volta, vi a peça enterrada em um barranco. Fui e arranquei. Guardei muito tempo, já tinha postado antes. Ela é diferente e bem grande. Deve pesar de oito a dez quilos, nunca medi", diz.
Ele revela ainda que procurou um colecionador de fósseis na cidade de Marechal Thaumaturgo. O homem teria dito que realmente a peça pertencia a um animal pré-histórico e ofereceu dinheiro pela raridade, o que foi recusado pelo funcionário público.
"O colecionador falou o nome do animal, mas não gravei. É um animal imitando o dinossauro. Me falou ainda de um professor que se interessaria em Cruzeiro do Sul, mas meu pai faleceu na época e deixei para lá. Não é só um dente, é o queixal todo", detalha.
Comercialização é proibida por lei, diz doutor em paleontologia  (Foto: Reprodução/Facebook)
A proposta de venda foi postada em um grupo de comercialização no Facebook através do perfil do irmão de Cavalcante. Segundo ele, não há um preço estipulado pela peça. "Quero que a pessoa veja e diga", conclui.
Ainda segundo Jonas Filhos, o laboratório de paleontologia da Universidade Federal do Acre (Ufac) tem uma rica coleção de vários fósseis de mastodontes que está aberta para visitação do público.
Ele destaca ainda, fundamentado pelo decreto nº 72.312, de 31 de maio de 1973, divulgada no site do Palácio do Planalto, que é proibida a "Exportação e Transportação e Transferência de Propriedade Ilícitas dos Bens Culturais".
"Muito embora existam vários exemplos de venda de fósseis no Brasil e no exterior, sua comercialização é proibida e ilegal. O que sempre recomendamos é que, quando um material fóssil for encontrado deve ser informado à Ufac em Rio Branco ou Cruzeiro do Sul, onde existem paleontólogos qualificados, pois a remoção indevida sem técnicas e metodologias específicas pode danificar o material e dificultar sua interpretação e estudos", finaliza.
fonte  g1.globo.com
equipe giro feijó

equipe giro feijó

Comentários desta notícia

Atenção, não somos responsáveis pelo conteúdo do comentário que você escrever aqui, mas podemos exluir se for necessário!
Tecnologia do Blogger.