Última hora
recent

Homem é condenado a prestar serviços comunitários por se apropriar da aposentadoria da mãe de 83 anos

O Juízo da 1ª Vara Criminal da Comarca de Rio Branco julgou procedente o pedido formulado no Processo n°0018366- 48.2015.8.01.0070, e condenou o acusado J.F. da S. a prestar serviço à comunidade, por oito horas semanais, pelo tempo da pena (dois anos, dois meses e 20 dias de reclusão), por ele ter se apropriado e desviado a aposentadoria da sua mãe, de 83 anos de idade.
O juiz de Direito Danniel Bomfim, titular da unidade judiciária, ressaltou na sentença, publicada na edição n°5.777 do Diário da Justiça Eletrônico (DJE), da terça-feira (6), que “as provas testemunhais reforçam os fatos narrados, quais sejam, o denunciado se apropriava e desviava parte dos proventos da vítima, dando diversa finalidade, agindo dolosamente incorrendo no tipo penal no art. 102 do Estatuto do Idoso”.
Entenda o Caso
O Ministério Público do Estado do Acre (MPAC) denunciou J.F. da S. por ter cometido os crimes descritos no artigo 102 da Lei n°10.741/03, c/c art. 61, II, “e” e “f”, na forma do art. 71, caput, do Código Penal, ou seja, “apropriar-se de ou desviar bens, proventos, pensão ou qualquer outro rendimento do idoso, dando-lhes aplicação diversa da de sua finalidade”.
Conforme a peça inicial, durante os anos de 2014 e 2015 o denunciado se apropriou e deu fim diverso a aposentadoria de sua mãe, que à época dos fatos tinha 83 anos. O MPAC afirmou que após o falecimento do seu marido a idosa ficou morando sozinha e este filho era quem administrava os proventos dela, “retendo para si o cartão de benefícios da idosa, bem como este não dispensava os cuidados necessários à sua genitora”.
Sentença
O juiz de Direito Danniel Bomfim iniciou a análise do caso pela autoria do delito. Segundo o magistrado “a autoria delitiva do agente, quanto a esses fatos se encontra igualmente comprovada no bojo dos autos, através da prova trazida à colação, do que se infere ser ela o responsável pela apropriação dos valores, perpetrada contra a vítima, na medida em que se aproveitou da qualidade de filho, abusando dos poderes que lhe foram outorgados, obtendo, assim, facilidade para a consecução de seu intento criminoso”.
Da mesma forma o juiz compreendeu que as provas e depoimentos das testemunhas foram suficientes para demonstrar a materialidade do crime cometido pelo denunciado. “A materialidade restou plenamente comprovada por meio das peças informativas que compõe o inquérito policial, sobretudo as declarações prestadas pelas testemunhas, Relatório de visita domiciliar de fls. 17/19, Relatório de fls. 23/25, o qual fundamentou a deflagração da presente ação penal, bem como toda a prova oral angariada aos autos”, registrou o magistrado.
Por isso, o magistrado julgou procedente a denúncia e condenou J. F. da S. a dois anos, dois meses e 20 dias de reclusão, em regime inicial aberto, além do pagamento de 16 dias-multa, pena que foi substituída por prestação de serviços à comunidade, por força do artigo 44, do Código Penal, em função da condenação ter sido inferior a quatro anos de reclusão, e por não ter sido cometido com violência ou grave ameaço à pessoa.
Da decisão ainda cabe recurso.
fonte  www.tjac.jus.br
equipe giro feijó

equipe giro feijó

Comentários desta notícia

Atenção, não somos responsáveis pelo conteúdo do comentário que você escrever aqui, mas podemos exluir se for necessário!
Tecnologia do Blogger.