Última hora
recent

Inter empata com Flu e é rebaixado. Quem se salva e quem vira vilão?

O Internacional vai conhecer a segunda divisão em 2017. Neste domingo (11), o time gaúcho empatou com o Fluminense, no estádio Giuliete Coutinho (RJ) e terminou o Brasileirão em 17º lugar. Antes do gol de Douglas, o Colorado já caminhava para a Série B por conta dos resultados paralelos. Nos minutos finais, Gustavo Ferrareis fez um gol que não mudou nada. O histórico rebaixamento cria heróis e vilões na história do clube gaúcho.
A 38ª rodada do Campeonato Brasileiro também não ajudou. Às 18h13 (Brasília), quando o cronômetro em Mesquita marcava nove minutos do segundo tempo, o Sport fez gol contra o Figueirense em Recife e transferiu a luta do Inter para o Vitória. O time baiano saiu na frente, levou a virada do Palmeiras, mas no saldo ainda ficaria a frente se o Colorado vencesse.
Só que nem vencer o Internacional conseguiu. Abalado pelos resultados paralelos, o clube gaúcho perdeu o rumo de vez. Até o chute de fora da área de Douglas, o time dirigido por Lisca tinha produzido muito pouco. Surpreendentemente acanhado para quem precisava de muita coisa.

O rebaixamento histórico cria heróis e vilões bem atuantes até o último minuto. Na lista dos vilões
aparecem os dirigentes, em especial Vitorio Piffero e Fernando Carvalho. Entre os que se salvam estão três jogadores: Danilo Fernandes, William e Seijas.
Quem se salva
Danilo Fernandes: contratado em maio, o goleiro virou titular absoluto e foi herói em várias rodadas. Com agilidade e boas defesas, evitou derrotas piores e fez a torcida não sentir saudade de Alisson (vendido a Roma-ITA). Já garantiu que segue no estádio Beira-Rio em 2017.
William: em 2015 ele apareceu como novidade e solução caseira. Em 2016, virou peça-chave da equipe ainda com Argel Fucks pela intensidade e bons cruzamentos. Quando a equipe degringolou, virou o centro da formação. Mesmo oscilando nas últimas semanas, é unanimidade na função e tido como um dos injustiçados pela péssima organização do clube.
Seijas: venezuelano assistiu de perto a confirmação da queda. Mesmo suspenso, foi ao Rio de Janeiro acompanhar a delegação. O ato é apontado como sinal de comprometimento
Quem vira vilão
Vitorio Piffero: presidente do Inter entre 2015 e 2016, fica marcado como o primeiro da história a levar o clube para a Série B. A jornada até lá teve vários erros administrativos, contratações e demissões contraditórias e péssimo resultado no campo. Além disso, uma boa dose de arrogância quando o time começou a decair de produção. "Não vai cair porque nunca caiu. Time grande não cai", disse Piffero à época.
Fernando Carvalho: considerado maior presidente da história do Inter, por ter dirigido o clube em 2006 e trabalhado no futebol em 2010, voltou em agosto depois do pedido de ajuda de Piffero. Trouxe Celso Roth e manteve o treinador durante 22 rodadas. Na reta final, ainda deu declaração polêmica sobre a situação do time no Brasileirão pouco após a tragédia da Chapecoense e virou alvo de inúmeras críticas.
Celso Roth: treinador no segundo título da Copa Libertadores, em 2010, voltou ao lado de Fernando Carvalho e durou 22 partidas. Saiu com 36% de aproveitamento e sem conseguir tirar o time da zona da degola. Ainda sofreu críticas pela resistência em usar Seijas e Nico López e pelos conceitos.
Inter engana no começo do jogo
O início do jogo deu a impressão de que o Internacional faria uma partida histórica, mas foi só uma primeira imagem. Depois de marcar alto e tentar abafar, o Colorado perdeu o controle antes dos 20 minutos. Passou a ficar submisso e olhando o Fluminense explorar os lados. Danilo Fernandes pegou pênalti após cobrança de Richarlison e injetou ânimo antes do intervalo. Na etapa final o filme se repetiu. Começo em cima e nada mais. Com três trocas em menos de 10 minutos, Lisca abriu a equipe atrás da vitória e assistiu o Flu marcar e ficar à vontade. Aos 43, Ferrareis aproveitou rebote e escanteio e acertou o canto esquerdo do goleiro.
Fluminense perde pênalti e muitas chances
O Fluminense entrou em campo sem nada a buscar, mas foi quem jogou bem. No primeiro tempo teve duas grandes chances além de um pênalti perdido. Na etapa final, se aproveitou do desespero e do abalo do Internacional para controlar do seu jeito o jogo. Aos 30, fez boa jogada quando a defesa do adversário era figurativa. Douglas chutou no canto e venceu o goleiro. Depois, acertou a trave com Wellington.
fonte uol e g1 
equipe giro feijó

equipe giro feijó

Comentários desta notícia

Atenção, não somos responsáveis pelo conteúdo do comentário que você escrever aqui, mas podemos exluir se for necessário!

Clique na imagem para entrar em contato

Tecnologia do Blogger.