Última hora
recent

Policiais civis paralisam atividades e protestam contra PLP 257 no Acre

Mais de 700 policiais civis paralisaram novamente as atividades por 24h, nesta segunda-feira (19), na praça em frente à Assembléia Legislativa do estado (Aleac), em Rio Branco. O objetivo, segundo o presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Acre (Sinpol-Acre), Itamir Lima, é protestar contra a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 241 e o projeto de lei (PLP) 257/16 de autoria do governo federal. Ao menos 200 pessoas participaram da manifestação, segundo os organizadores.
Lima explicou que o projeto de lei tramitou na Câmara Federal e em seguida foi para o Senado, que fez várias mudanças e voltou para a Câmara para ser votado. Segundo o presidente do sindicato, o PLP deve ser votado nesta segunda e, por conta disso, a categoria decidiu se unir ao ato nacional e fazer a paralisação.
"Com essa medida, não vai mais ter concurso público, os salários vão ser congelados, os direitos às promoções serão vedados. Além disso, é uma reforma da Previdência indireta. Ou seja, é uma afronta aos servidores públicos, desconsidera que estados têm sua autonomia administrativa pela Constituição Federal. Não dá para aceitar um congelamento de salários e esse pacote de situações. Não vamos aceitar nenhuma perda de direito", disse o presidente do sindicato.
Essa não é a primeira paralisação da categoria em todo o estado. Na última quarta (14), os policias fizeram uma paralisação por 24h contra a proposta de emenda constitucional (PEC) 241, que estabelece um teto para o aumento dos gastos públicos pelas próximas duas décadas, e também contra a 287, que prevê novas normas previdenciárias. Ao menos oito paralisações já ocorreram em cerca de cinco meses.
PLP 257/16
O Projeto de Lei 257/16 estabelece o plano de auxílio aos estados e ao Distrito Federal, para que haja um equilíbrio fiscal através de refinanciamentos de dívidas, dando um prazo de 240 meses para a quitação do débito. Logo, não há possibilidade de reajuste salarial.
PEC 241
A Proposta de Emenda da Constituição 241, conhecida como PEC do Teto de Gastos, foi enviada ao Legislativo por Michel Temer no primeiro semestre, enquanto o peemedebista ainda ocupava interinamente a cadeira de presidente da República. A proposta é considerada pelo Palácio do Planalto um dos principais mecanismos para tentar reequilibrar as contas públicas.
A PEC define que as despesas da União só poderão crescer, nos próximos 20 anos, até o limite da inflação do ano anterior. Na prática, Executivo, Legislativo, Judiciário, Tribunal de Contas da União, Ministério Público e Defensoria Pública da União não poderão aumentar suas depesas de um ano para o outro acima da inflação registrada no ano anterior.
Em caso de descumprimento do teto, a PEC estabelece uma série de restrições, como a proibição de realizar concursos públicos ou conceder aumento para qualquer membro ou servidor do órgão.
Reforma da Previdência
O texto elaborado por uma equipe multiministerial do governo Michel Temer foi encaminhado na noite de 5 de dezembro ao parlamento. Antes de enviar o texto ao Legislativo, o presidente da República apresentou a proposta a líderes partidários do Congresso. A Proposta de Emenda à Constituição sugerida pelo Executivo foi protocolada na Câmara como PEC 287.
Além de fixar uma idade mínima de 65 anos para a aposentadoria de homens e mulheres, as novas regras, se aprovadas, irão atingir trabalhadores dos setores público e privado. De acordo com o governo, a única categoria que não será afetada pelas novas normas previdenciárias é a dos militares.
Pelas regras propostas pela gestão Temer, o trabalhador que desejar se aposentar recebendo a aposentadoria integral deverá contribuir por 49 anos.
O governo federal estima que deixará de gastar cerca de R$ 740 bilhões em 10 anos, entre 2018 e 2027, com as mudanças propostas por meio da reforma da Previdência Social. Desse valor total, as mudanças no INSS e nos benefícios por prestação continuada (BPC) representariam uma economia de R$ 678 bilhões e, nos regimes próprios, de cerca de R$ 60 bilhões.
fonte  g1.globo.com
equipe giro feijó

equipe giro feijó

Comentários desta notícia

Atenção, não somos responsáveis pelo conteúdo do comentário que você escrever aqui, mas podemos exluir se for necessário!
Tecnologia do Blogger.