Após esperar três anos por medula, acreana tem cirurgia marcada - Giro Feijó

Post Top Ad

Responsive Ads Here
Após esperar três anos por medula, acreana tem cirurgia marcada

Após esperar três anos por medula, acreana tem cirurgia marcada

Share This
Elana Vitória, de 10 anos, deve passar por cirurgia no dia 1° de fevereiro.
Natural de Cruzeiro do Sul, menina luta há seis anos contra a leucemia.
Tudo indica que a espera de quase três anos por uma medula para Elana Vitória de Souza, de 10 anos, finalmente terminou. Naturais de Cruzeiro do Sul, no interior do Acre, a pequena e a mãe dela, Erlonilde de Souza, estão há uma semana em Recife (PE) e a cirurgia de transplante está marcada para o dia 2 de fevereiro.
Em novembro de 2015, as duas chegaram a sair do estado acreano para o procedimento. No entanto, pouco tempo antes, houve a desistência do doador. Elana luta há seis anos contra a leucemia no Hospital do Câncer, em Rio Branco. Ainda no ano passado, houve a confirmação de uma nova medula compatível
.
Elana, de 10 anos, luta contra a leucemia há seis anos (Foto: Arquivo pessoal)
"Ela está super feliz, quer muito fazer a cirurgia. Ela já fez todos os exames, implantou o cateter e está se recuperando. Interessante é que ela faz aniversário no dia 1° de fevereiro e no dia 2 ela recebe a medula. É um presente", relata a mãe da garota.
Depois da cirurgia, Erlonilde explica que a filha deve passar 40 dias em um processo conhecido como "bolha", em que o paciente não pode receber visitas até que seja confirmado que não houve nenhum tipo de rejeição. Em seguida, Elana deve ser liberada do hospital, mas passa a ter consultas diárias.
"Os médicos estimam um período de mais ou menos seis meses, mas pode demorar mais, porque a medula dela não é de parente. Requer mais cuidado. Ainda não temos previsão de voltar ao Acre", ressalta. No momento, as duas estão no hospital e ainda estudam onde vão ficar hospedadas após liberação.
Para Erlonilde, o momento é de muita expectativa. "Estou muito confiante. Seis anos de hospital, ainda temos um tempo pela frente, mas é muita coisa para nós sabermos que isso vai acabar. É uma peleja", acrescenta.
Entenda o caso
O G1 acompanha a história de Elana Vitória desde o Dia das Ciranças de 2015. Na mesma data do ano anterior, a menina não pediu bonecas ou roupas, mas uma medula de presente. Em agosto de 2015, a família recebeu a notícia de um doador totalmente compatível. O transplante também ocorreria na capital pernambucana.
A guerra contra a leucemia começou em maio de 2011. Desde então, passaram mais de três longe de casa, parentes e amigos no interior do estado. Todo parecia bem, mas houve a confirmação de que a doença havia voltado e, por isso, a necessidade do transplante. Elana entrou na fila de espera para doação desde então.
fonte  g1.globo.com

Videos

Post Bottom Ad

Responsive Ads Here

Pages