Última hora
recent

Hospital de Feijó: diretora sumiu, faltam seringas, remédios e até lençóis

O Sindicato dos Médicos do Acre (Sindmed-AC) denunciará ao Ministério Público Federal (MPF) a direção do Hospital Regional de Feijó. O motivo é o constante sumiço da gerente, a falta de ultrassonografia, a falta de medicamentos, de lençóis e a falta de seringas.
Segundo o presidente do Sindmed-AC, Ribamar Costa, a situação se agravou ainda mais porque faltam médicos e a escala é fechada com dois profissionais por dia, sendo que em alguns dias a unidade chega a ficar com apenas um profissional e um segundo apenas de sobre aviso. A situação que ainda será comunicada ao Conselho Regional de Medicina (CRM) conta ainda com testemunhos de trabalhadores que narram a falta dos dirigentes do hospital que ficam dias sem aparecer.
“A situação de Feijó é crítica e lembra o caso de Brasileia, o que pode ser interpretado como caso de uma interdição ética. A situação é sofrível e compromete a saúde da população que utiliza o hospital. A única ambulância está em péssimas condições, segundo os servidores, o que pode resultar em um acidente”, afirmou o sindicalista.
Os funcionários do hospital informaram até que uma mulher que havia sofrido aborto espontâneo acabou ficando quatro dias à espera de transporte para Tarauacá, do dia 28 de dezembro até o dia 1º de janeiro. O motivo foi à ausência da gerência para autorizar o deslocamento. A demora pode resultar no agravamento das condições de saúde da paciente que necessitou retirar os restos do aborto.
Trabalhadores ainda acusam a falta da gestora, que desaparece em alguns dias da semana e, com o sumiço, o próprio serviço de lavanderia para por falta de fiscalização, com isso o hospital já chegou a ficar até três dias sem lençóis limpos.
Recentemente, a administradora da unidade chegou a mudar o repouso médico de lugar, colocando os profissionais em local insalubre, com infiltração, com um odor de esgoto muito forte.
“A gestão parece estar desdenhando dos profissionais. O médico precisa de condições dignas para o atendimento, não passando por condições que lembram as antigas senzalas, porque o médico chega a ficar de plantão por 24 horas e ele precisa de um local de descanso para garantir que esteja disposto no momento de atender um paciente”, disse Ribamar Costa.
Para o presidente do Sindmed-AC, a falta de gestão resultou em outros problemas funcionais como a mudança da sala de ultrassonografia para um local de muita claridade, o que impossibilita o exame, alteração que resultou na queima do nobreak que é utilizado na máquina. A sala de curativos está com o ar-condicionado quebrado e a ventilação é feita por uma janela aberta, o que aumenta as possibilidades de contaminação e o ambiente ainda possui infiltração.
“Vamos encaminhar todos os problemas aos órgãos competentes e pedir a punição dos responsáveis, porque a situação apenas se agravou”, finalizou o sindicalista.
fonte  www.vejadetudo.com.
equipe giro feijó

equipe giro feijó

Comentários desta notícia

Atenção, não somos responsáveis pelo conteúdo do comentário que você escrever aqui, mas podemos exluir se for necessário!
Tecnologia do Blogger.