Última hora
recent

Para entender termos jurídicos, alunos criam página com memes

Todos os dias novos memes tomam a internet e se tornam virais deixando as redes sociais mais divertidas com uso de vídeos, fotos e frases que rapidamente se espalham entre os usuários. Em Rio Branco, uma turma decidiu deixar os memes mais informativos e decidiu criar a página Segurança do Trabalho no Facebook com postagem de "memes jurídicos". A ideia é ajudar os alunos a entenderem melhor as leis que envolvem todas as áreas do direito.
A ideia surgiu do professor e advogado Bernardo Cardoso que ministra aulas noturnas sobre direito no Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac).
Cardoso percebeu a dificuldade que os estudantes tinham para interpretar as leis e encontrou nos memes a saída para aulas mais dinâmicas e informativas.
O professor diz que muitos alunos são de baixa renda e não tinham acesso a computadores e nem sabiam como usar a ferramenta. Ao menos 20 alunos entre 21 e 38 anos compõem a turma.
"A ideia é fazer com que eles se sintam mais familiarizados com o direito. Muito dos alunos não tiveram acesso a esse conhecimento e estão conhecendo melhor os seus direitos e deveres. O meme é uma forma de deixar o conteúdo mais claro, pois esse é um tema muito denso. Muitos alunos tiveram que aprender primeiro a mexer no computador para depois começar a criar os memes", explica.
Alguns alunos não sabiam o que era um meme e foram aprendendo sobre o tema aos poucos, segundo professor (Foto: Reprodução/Facebook)
Além de não saber ao certo o que era um meme, o estudante Gilliard Lopes de Oliveira, de 35 anos, diz que também não sabia que qualquer pessoa poderia criar esse tipo de conteúdo e disseminar na internet. Com os memes, ele diz que passou a entender melhor o direito e deve aplicar o aprendizado no dia a dia.
"Eu não tinha conhecimento do que eram os memes até a chegada do projeto. O mais interessante é que, além de aprendermos, também podemos divulgar na internet o conteúdo que geralmente ficava somente em sala de aula. Com os memes podemos até mesmo alertar a população para os direitos que elas possuem e onde podem recorrer é um projeto de cunho social", afirma.
Alunos abordam questões sociais e trabalhistas em memes jurídicos  (Foto: Reprodução/Facebook)
Já Evelena Farias, de 35 anos, diz que conhecia os memes, mas que o foco do projeto não é apenas ser humorístico, como a maioria do conteúdo desse tipo que existe na internet, mas informativo e esclarecedor.
Ela lembra que nem todos possuem acesso ao direito e que a disseminação do conteúdo pode ser um ponto de partida para as pessoas que querem saber mais sobre o tema e também para aquelas que queiram procurar seus direitos.
"Acredito que a página pode se tornar o ponto de partida para muitas pessoas que estão passando por alguma situação no trabalho ou escola. A nossa turma é de pessoas muito maduras, mas nem todas tinham acesso a esse tipo de conhecimento. Os memes facilitaram o entendimento dos meus colegas e também o meu sobre a jurisdição. É claro, a gente não entende tudo porque é muito vasto", diz.
A aluna Viviane Oliveira Braga, de 34 anos, diz que jamais imaginou que pudesse criar um meme e destaca que o professor ajudou na pesquisa e montagem do conteúdo. Nos memes criados por ela, Viviane destaca principalmente conteúdos voltados para o direito trabalhista e também as leis estabelecidas pela Constituição Federal.
Alunos tiveram de aprender sobre memes para criar conteúdo infromativo  (Foto: Reprodução/Facebook)
"Eu não conhecia os memes, vi alguns na internet, mas não sabia o que era. O professor nos ajudou muito, a gente pesquisava um tema do que queria falar e montávamos com figuras da internet. Acredito que foi um dos melhores projetos que já fiz. Os memes facilitaram muito o aprendizado, pois passamos a entender melhor o assunto e as aulas ficaram mais dinâmicas. Foi tudo muito criativo", finaliza.
fonte g1.globo.com 
equipe giro feijó

equipe giro feijó

Comentários desta notícia

Atenção, não somos responsáveis pelo conteúdo do comentário que você escrever aqui, mas podemos exluir se for necessário!
Tecnologia do Blogger.