Última hora
recent

Novas regras do seguro-defeso devem afetar 2 mil pescadores no AC

As novas regras para o benefício do seguro-defeso, estabelecidas por decreto do presidente Michel Temer no último dia 24, devem afetar em torno de 2 mil pescadores no estado acreano. A informação foi divulgada pelo advogado Wagner Alvares, que atua junto à Federação de Pescadores do Acre, entidade ainda em formação desde o final do ano passado.
Dentre as mudanças está a extinção do benefício a pescadores que tiverem vínculo empregatício fora da pesca, bem como aos artesanais que tenham outra espécie disponível para pesca, que não esteja no período de defeso.
também não podem receber o seguro, de acordo com o decreto, os pescadores de subsistência - que pescam para consumo próprio ou escambo, sem fins de lucro - e os indígenas também em caso de subsistência.
Para entender, o seguro defeso é o período em que a pesca de determinadas espécies fica proibida, por causa da época de reprodução - a "piracema". Devido à proibição, o governo paga um seguro-desemprego para aqueles que tenham a pesca como fonte de renda. O benefício equivale a um salário mínimo, atualmente em R$ 937.
O advogado acredita que as novas regras podem prejudicar os pescadores, na medida em que, para ter acesso ao benefício, eles precisam comercializar o pescado de forma profissional. Para ele, será necessária a colaboração intensa das colônias de pescadores e também do Estado na questão do escoamento da produção. Atualmente, o estado possui 10 mil carteiras ativas.
"Muitos moram em seringais longes do município e demoram de dois a três dias para chegar. Eles ficam prejudicados. As pessoas têm que se profissionalizar para o comércio dos peixes e vai ser fundamental o auxílio das colônias e dos governos para escoar o pescado do interior até a capital. Se não tiver como escoar, como eles vão comercializar?", questiona.
Alvares acrescenta que a exclusão dos grupos pode também causar problemas diretos na procriação dos peixes, uma vez que, sem o benefício, a pesca das espécies não será interrompida - sobretudo no caso dos que utilizam o pescado para consumo próprio.
"Se a pessoa não vai receber o seguro-defeso durante a piracema, ela vai continuar pescando normalmente, porque precisa do pescado para a alimentação. De um modo geral, isso vai prejudicar diretamente a procriação dos peixes", finaliza.
fonte  g1.globo.com
equipe giro feijó

equipe giro feijó

Comentários desta notícia

Atenção, não somos responsáveis pelo conteúdo do comentário que você escrever aqui, mas podemos exluir se for necessário!
Tecnologia do Blogger.