Última hora
recent

Sobre guerras, drones e soldados-robôs

Talvez no futuro tenhamos que ouvir de um soldado-robô que o caminho para superar nossas diferenças políticas ou religiosas é o diálogo.
A segunda Guerra Mundial inaugura o namoro da ciência computacional com as forças armadas. Motivados por uma causa nobre: a total aniquilação da Alemanha nazista e seu regime totalitário. Cientistas e matemáticos trabalharam por este ideal, entre estes, Alan Turing e Gordon Welchman, ambos responsáveis pela invenção da Bombe, máquina que desvendou os códigos criptografados dos alemães. Desde então, de foguetes a submarinos nucleares, de radares a aviões invisíveis, todos armamentos militares possuem alta tecnologia embarcada.
Fim está próximo
De acordo com o cientista político Peter W. Singer: “A força aérea norte-americana treinou mais operadores de veículos não tripulados do que pilotos para bombardeiros e caças juntos”. No final do ano passado, o Pentágono testou um enxame de 103 pequenos drones - de 16 cm de comprimento - lançados de três aviões de combate F/A-18 Super Hornet, enquanto isso, a China revelou um drone invisível chamado “Sharp Sword” o qual pode carregar até 4.000 quilos de bombas! Além da contínua evolução dos robôs militares da Boston Dynamics, que vão de robôs militares humanóides a mulas robóticas de carga. É grande a probabilidade das guerras tornarem-se completamente assimétricas, com exércitos robóticos lutando contra soldados humanos.
Fim não está próximo
Não há um reflexão ética norteando o desenvolvimento tecnológico de armas de guerra. Apesar dos esforços de Luciano Floridi, Herman T. Tavani e Adam Moore, a ética computacional continua sendo nada mais do que uma bela disciplina teórica ensinada nas universidades. De fato, é preciso ampliar a discussão ética na medida em que tecnologias de software ampliam ampliam sua presença, controle e automação sobre armas de guerra de alto poder de destruição.
Talvez no futuro, ironicamente, tenhamos que ouvir de um soldado-robô que o caminho para superar nossas diferenças políticas ou religiosas é o diálogo, a negociação pacífica e não a guerra.
Hashtags #guerras #drone #drones #robôs #robótica #tecnologia #tecnologiamilitar #exército #automação #inteligênciaartificial
fonte  olhardigital.uol.com
equipe giro feijó

equipe giro feijó

Comentários desta notícia

Atenção, não somos responsáveis pelo conteúdo do comentário que você escrever aqui, mas podemos exluir se for necessário!
Tecnologia do Blogger.