Última hora
recent

Justiça mantém indenização a ambulante de Tarauacá atingida por óleo de transformador

A 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Acre manteve, à unanimidade, a condenação da Companhia de Eletricidade do Acre (Eletroacre) pela explosão do transformador de energia elétrica, que atingiu a A. N. M. da S. e os bens que comercializava no Novenário de São Francisco.
De acordo com a decisão, publicada na edição n° 5.832 do Diário da Justiça Eletrônico (fls. 20 e 21), deve ser mantido o quantum fixado de R$ 15 mil a título de danos morais e R$ 38 mil por danos materiais, pois o nexo causal está demonstrado, assim como a ocorrência dos danos vivenciados pela ambulante que perdeu suas mercadorias e sofreu lesões corporais.
Entenda o caso
A autora é vendedora ambulante e integrava a feira de economia solidária do novenário em Tarauacá. Ela alegou ter sido atingida por óleo quente vindo de um transformador instalado no poste energia que estava acima de sua barraca, o que foi registrado em boletim de ocorrência.
Consta na inicial que a demandante foi socorrida por populares e levada para tratar das queimaduras no hospital local, que emitiu laudo médico sobre as lesões corporais. O Batalhão de Educação, Proteção e Combate a Incêndio Florestal (7º Bepcif) atestou o curto circuito e as avarias na barraca e nas roupas que ali se comercializava.
Por sua vez, a Eletroacre reconheceu o evento danoso e apresentou resposta técnica sobre as causas do curto circuito. Assim, argumentou que apesar da responsabilidade objetiva dos concessionários de serviços públicos, há fatos que lhes desoneram como a culpa exclusiva de terceiro e no caso imputou que esta cabia ao Ente Público estadual.
Decisão
Ao ponderar sobre a Apelação n.º 0703330-35.2015.8.01.0001, os membros do Órgão Julgador concordaram que não estava demonstrado nos autos qualquer causa excludente da responsabilidade da concessionária, mas devidamente comprovado o dever de indenizar.
Em seu voto, o desembargador Junior Alberto afirmou que “embora não tenha sido comprovada a inexistência de manutenção na rede de elétrica, tampouco a utilização de equipamentos de má qualidade, ou seja, a negligência da concessionária ré, caberia à demandada provar que adotou todas as medidas que estavam a seu alcance para evitar o acidente que vitimou a autora, ou que o evento danoso ocorreu por culpa exclusiva de terceiro, ou seja, apresentar alguma excludente de responsabilidade, o que não ocorreu”.
O relator do processo evidencia que ao contrário, em sua manifestação, a ré aduziu que o fato ocorreu em razão da sobrecarga, o que fez que o óleo existente em seu interior superaquecesse e aumentasse seu volume, vindo a explodir. Assim sendo, a responsabilidade objetiva da concessionária conduz, de modo inexorável, à responsabilidade pelo resultado lesivo.
O pedido de redução do valor fixado para os danos morais não foi provido, pois, segundo o exame de corpo de delito a apelada foi atingida por óleo quente e sofreu queimaduras, bem como ficou impossibilitada de trabalhar, já que tanto a sua barraca quanto as mercadorias que havia levado para comercializar foram danificadas.
Participaram do julgamento, também, os desembargadores Roberto Barros (membro) e o Pedro Ranzi (membro da Câmara Criminal), convocado para compor o quórum da 2ª Câmara Cível.
fonte  www.tjac.jus.br
equipe giro feijó

equipe giro feijó

Comentários desta notícia

Atenção, não somos responsáveis pelo conteúdo do comentário que você escrever aqui, mas podemos exluir se for necessário!
Tecnologia do Blogger.