Última hora
recent

AS GALINHAS DE SEXTA-FEIRA SANTA

Elas sumiram misteriosamente de seus galinheiros, durante a entrada de sábado de aleluia. E pelo o visto o número pessoas, que sentiram falta de suas penosas atinge o maior patamar de toda sua história. Um morador do bairro conquista, estava revoltado com a ousadia dos larápios, que não tiveram compaixão, e levaram até o velho galo apelidado por Joaquim. Já o senhor Raimundo do bairro bela vista, disse que suas galinhas foram levadas, no período que estava na Igreja. Ele alega que mesmo rezando, não foi o suficiente para evitar as invertidas dos ladrões. Agora o jeito é se contentar com os pintinhos que ficaram, disse o aposentado.
A explicação para esta prática é a de que as pessoas aproveitam o dia em que o Senhor está morto, de forma que não vê os pecados cometidos, para praticar pequenos delitos.
A explicação acompanha o cristianismo que, segundo os preceitos bíblicos, ao cristão recomenda-se jejuar durante o período da Quaresma. A Sexta-feira Santa é marcada pela morte de Cristo. Um dia de vigília, oração e jejum. Tradicionalmente e popularmente conhecido como o “dia de não se comer carne vermelha”. Trata-se, portanto, mais do que uma tradição religiosa e um hábito dos antigos. É uma prática cultural institucionalizada, mesmo que alguns a contestem.
Hoje são poucos os praticantes. Muita gente não gosta da brincadeira, sobretudo as pessoas que têm seus animais capturados. Mesmo assim, a noite de Sexta-feira Santa também é noite de vigília aos galinheiros. E, após o roubo das galináceas, aguarda-se silenciosamente o sino da meia-noite. Após, o banquete está servido. Uma festa de dar inveja às orgias dionisíacas. Dizem que tem esse o sabor.
fonte  www.feijo24horas.com
equipe giro feijó

equipe giro feijó

Comentários desta notícia

Atenção, não somos responsáveis pelo conteúdo do comentário que você escrever aqui, mas podemos exluir se for necessário!

Clique na imagem para entrar em contato

Tecnologia do Blogger.