Última hora
recent

Agente que teve parte do dedo decepado por presa pode perder a mão; 'estou péssima'

A agente penitenciária Daniele Souza, de 43 anos, ainda se recupera do ferimento provocado por uma presa na noite de quarta-feira (31) na Unidade Feminina do Complexo Prisional Francisco d'Oliveira Conde (FOC), em Rio Branco. A servidora perdeu parte de um dedo da mão esquerda quando uma presa deu um chute na grade e prendeu o dedo de Daniele na parede. Ela disse que pode perder o dedo inteiro e até parte da mão. A servidora faz parte do quadro de agentes contratadas provisoriamente em 2016 para trabalhar no presídio.
Devido a agressão, um grupo de agentes penitenciárias fez um ato em frente do presídio na quinta (1°) e suspenderam a visita íntima da unidade feminina. Após o ato, as servidores se encontraram com a juíza da Vara de Execuções Penais, Luana Campos, que garantiu a transferência da presa responsável pela agressão e o isolamento das demais no Regime Disciplinar Diferenciado (RDD).

“A Carolina Holanda, que é chefe da facção, estava passando mal e a gente foi tirar ela da cela. Ela comanda as presas dentro da cela. Uma detenta deu o chute e prendeu minha mão. Isso foi o que a outra agente me disse, não vi nada”, contou.
Daniele explicou que tinham oito presas dentro da cela e três agentes penitenciárias. A presa que estava passando mal saiu amparada por mais duas detentas, quando as agentes foram fechar a cela. A servidora nega que tenha agido de forma negligente durante o procedimento.
"O procedimento é assim. Temos que segurar a grade com a mão e forçar com o pé para elas não virem para cima da gente. Acho que foi devido, como falam na facção, a mãe está passando mal. Acho que ficaram muito agitadas e quando tiramos a mãe da facção uma deles ficou com raiva e chutou. Não sei se percebeu que minha mão estava lá, se fez de propósito", comentou.
A servidora explicou ainda que precisa esperar 15 dias para retornar no médico e saber qual o próximo passo do tratamento. Ainda de acordo com Daniele, o osso do dedo atingido foi estraçalhado. Ela diz que não sabe se vai voltar a trabalhar, mas que pretende acionar a Justiça para não ficar desamparada após o fim do contrato.
"Ainda está complicado. O médico vai me avaliar e corre o risco de eu perder o resto do dedo e até a mão. Estou péssima. Uma mistura de ódio, raiva, vingança. A ficha não caiu, agente nunca imagina que vá acontecer com a gente, porque nós provisórias só tentamos agilizar as coisas ali porque é muito difícil você trabalhar em uma sistema que não te dá condições", concluiu.
fonte  g1.globo.com
equipe giro feijó

equipe giro feijó

Comentários desta notícia

Atenção, não somos responsáveis pelo conteúdo do comentário que você escrever aqui, mas podemos exluir se for necessário!

Clique na imagem para entrar em contato

Tecnologia do Blogger.