Última hora
recent

Mulher não aceita dividir prêmio com amigo que comprou bilhete premiado e caso vai parar na Justiça

Promoções atraem clientes em Rio Branco (Foto: Reprodução/Rede Amazônica Acre )
Uma mulher não aceitou dividir o prêmio com um amigo que pagou por um título de capitalização, mas colocou no nome dela após fazerem um acordo verbal e se comprometerem a dividir igualmente o valor da premiação, um carro Toyota de modelo corolla. O homem comprou o bilhete em Sena Madureira, município onde moram, e o sorteio foi realizado no dia 11 de junho deste ano.
Ao G1, a empresa responsável pelo título de capitalização informou que cumpriu com todas as obrigações legais. A empresa disse que fez o pagamento bancário para a mulher, pois é o nome dela que está no bilhete, mas a Justiça do Acre optou por bloquear o valor. Os responsáveis afirmaram que não têm qualquer ligação com o processo e que o acordo foi entre os amigos.
Homem pagou por bilhete, mas o colocou no nome de amiga que decidiu não dividir o prêmio com ele (Foto: Caio Fulgêncio / G1)
A advogada Vanessa Chalub, que representa o comprador do bilhete, diz que ele e a amiga assistiram a premiação juntos na casa dela, conferiram os números e comemoraram a vitória. Porém, no dia seguinte ela teria dito que não dividiria o dinheiro com ele.
“Não foi uma situação atípica, eles costumavam fazer isso, sempre compravam juntos e faziam o acordo e se, caso um deles ganhassem, eles dividiriam. Nesse dia foi ele quem pagou, inclusive, combinaram na presença da vendedora que o prêmio seria dividido. Ele ficou surpreso e indignado quando foi falar com ela, por isso, decidiu entrar na Justiça”, conta.
No processo, a juíza de Direito Andréa Brito, titular da Vara Cível da Comarca do município, determinou que a empresa responsável pelo título de capitação não pague o prêmio à mulher por ele ter descumprindo o acordo verbal feito com o amigo.
Na decisão, publicada no Diário da Justiça, a juíza entendeu que há indícios suficientes de que as partes realmente fizeram um acordo e que o contrato verbal é lícito. O valor do prêmio deve ser pago somente após o julgamento do mérito, quando a decisão pode ser confirmada ou anulada pela magistrada.
fonte  g1.globo.com
equipe giro feijó

equipe giro feijó

Comentários desta notícia

Atenção, não somos responsáveis pelo conteúdo do comentário que você escrever aqui, mas podemos exluir se for necessário!

Clique na imagem para entrar em contato

Tecnologia do Blogger.