Última hora
recent

Faculdade não credenciada pelo MEC deverá indenizar aluna por danos morais e materiais

A 1ª Turma Recursal dos Juizados Especiais decidiu, à unanimidade, negar provimento a Apelação n° 0011907-30.2015.8.01.0070, mantendo a condenação da Faculdade de Teologia Batista Betel a indenizar a aluna L.S.A. no valor de R$ 2 mil por danos materiais e de R$ 4 mil, a título de danos morais.
A decisão foi publicada na edição n° 5.921 do Diário da Justiça Eletrônico (fl. 32). O Juízo compreendeu que neste caso a reclamada não comprovou ter informado clara e previamente sua situação para a aluna, por isso o recurso foi improvido.
Entenda o caso
A reclamante se matriculou para fazer graduação em Administração e pagou mensalidades por um ano, quando tomou conhecimento de que a instituição não é credenciada pelo Ministério da Educação, isto é, o diploma por ela expedido não possuirá validade.
Em razão disso, a autora perdeu o interesse em permanecer vinculada e por isso requereu a restituição dos valores, bem como a condenação da faculdade ao pagamento de indenização por danos morais.
Em contestação, a reclamada afirmou que oferta cursos na modalidade “livre”, com autorização pelos órgãos responsáveis. Deste modo, os conteúdos ministrados podem ser utilizados a fim de aproveitamento de matéria e obtenção de certificado de nível superior em qualquer outra instituição de ensino.
A unidade educacional registrou que a Superintendência Regional da Polícia Federal no Acre arquivou investigação por ausência de comprovação de irregularidades. Salientou ainda que o Conselho Nacional de Educação autoriza a oferta de cursos livres.
A ré alegou, por fim, que os estudantes matriculados desde novembro de 2005 vêm obtendo êxito em integralizar seus créditos educacionais junto a outras instituições de ensino superior; que nunca se intitulou como instituição de ensino superior; que sempre informou seus alunos sobre a situação da instituição; que está em processamento de autorização pelo Ministério da Educação e Cultura (MEC).
Decisão
O Colegiado confirmou ser indiscutível a ocorrência de dano material, logo fazendo jus à devolução do valor referente às mensalidades que pagou em vão, pois, ao final, não teria quaisquer benefícios com um curso não validado pelo MEC.
O juiz de Direito Raimundo Nonato, relator do processo, frisou que o dano moral é aquele que afeta diretamente o interior do indivíduo e no presente caso, foram frustradas as expectativas da estudante em possuir um diploma de ensino superior. “Não é razoável exigir de alguém ânimo para manter um curso ante a possibilidade de ter seu dinheiro e esforços gastos em vão”, escreveu.
O magistrado salientou ainda que em inúmeros julgados, o Superior Tribunal de Justiça externou o entendimento de que a instituição de ensino superior responde objetivamente pelos danos causados ao aluno em decorrência da falta de reconhecimento do curso pelo MEC, quando violado o dever de informação ao consumidor.
fonte  www.tjac.jus.br
equipe giro feijó

equipe giro feijó

Comentários desta notícia

Atenção, não somos responsáveis pelo conteúdo do comentário que você escrever aqui, mas podemos exluir se for necessário!

Clique na imagem para entrar em contato

Tecnologia do Blogger.