Última hora
recent

Pesquisadores resgatam importância do “mateiro”


Pesquisadores da Universidade Federal do Acre preparam “mateiros” modernos que conseguem identificar plantas através de nomes científicos e são capazes de coletar amostras para descobrimento de novas espécies. Esses novos profissionais estão sendo chamados de “super-mateiros”.
No Acre, existem cerca de 4,5 mil espécies da flora que já foram catalogadas, mas podem existir 8 mil espécies. Ainda é um campo vasto e desconhecido para os biólogos.
Os pesquisadores Herison Medeiros e o parabotânico Gilson Oliveira estão sempre buscando novas espécies na mata.
O conhecimento, a partir da floresta, mexe diretamente com a economia do Estado. Um exemplo, hoje: o guaraná é usado em medicamentos e refrigerantes, mas apenas uma espécie é usada na fabricação.
Aqui na região há 50 espécies de guaraná. “Falta pesquisa para saber seu potencial econômico e nutritivo. Só que isso começa a partir dos estudos dentro da mata descobrindo toda a família do guaraná”, dizem os botânicos.
Mas, esse trabalho não é simples. O parabotânico Gilson Oliveira mostrou para
nossa equipe a dificuldade para buscar um galho e as flores de árvores altas. Ele tem um equipamento de escalada que permite buscar a amostra perfeita.
“Há 30 anos eu estou nesse serviço. Muito material na copa das árvores requer treino e conhecimento técnico. É preciso escolher o galho certo”, lembrou.
Depois de retirada, a amostra é envolvida em jornal é prensada num quadro de madeira, para depois ser identificada e enviada para pesquisa.
Segundo o biólogo Herison Medeiros, que tem mestrado em botânica, a cada seis coletas, geralmente se registra uma nova espécie.
Tão importante quanto catalogar e analisar a flora é preparar pessoas que possam conhecer a floresta. Graças a uma bolsa bancada pelo Jardim Botânico de Nova Iorque, Herison e Gilson, e outros biólogos estão ministrando cursos de mateiros para quem trabalha em manejo, reflorestamento e ou em identificação botânica. Já foram 4 cursos que preparam 60 pessoas, que hoje são chamadas de “super-mateiros”.
Quando se pensa em mateiro se imagina aquela pessoa que conhece os caminhos da mata. Para os biólogos, o super-mateiro, além de saber entrar e sair da floresta, conhece as plantas pelo nome comum e científico.
“A capacitação passa pelos estudos teóricos e práticos, como subir em árvores para fazer a coleta de forma correta” explicou.


fonte  www.agazeta.net
equipe giro feijó

equipe giro feijó

Comentários desta notícia

Atenção, não somos responsáveis pelo conteúdo do comentário que você escrever aqui, mas podemos exluir se for necessário!

Clique na imagem para entrar em contato

Tecnologia do Blogger.