Última hora
recent

Índios de recente contato visitam a cidade de Feijó pela primeira vez

Carros, ônibus, motocicletas, bicicletas e pedestres. Pessoas apressadas, sempre correndo e atrasadas para algum compromisso muito importante. Nada disso nos impressiona, pois o fluxo nas cidades começa antes mesmo do amanhecer.
Mas, e alguém que nunca viveu esse frenesi de atividades, o que pensa a respeito da vida urbana?



Conhecidos como “Povo do Xinane”, os índios de recente contato, habitantes da região de fronteira entre o Acre (Brasil) e o Peru, do tronco linguístico pano, aportaram em Feijó – interior do estado – na tarde do último sábado, 12, em pleno Festival do Açaí.

Shirimaku, Purus, Hainuno, Hunuishata e Kada. Este é o nome dos cinco desbravadores, que percorrem 555 quilômetros, por água, em um barco de alumínio a varejão (objeto de madeira utilizado para empurrar a canoa), para conhecer a “terra dos brancos”.


Ao tomar conhecimento da viagem, o chefe da Base do Xinane da Frente de Proteção Etnoambiental do Rio Envira, Marcus Boni, e o auxiliar de indigenismo Jeferson Lima se deslocaram em direção à tripulação, que se encontrava a três horas de viagem de Feijó.
A visita à pequena e pacata cidade acreana tem sido monitorada pela Fundação Nacional do Índio (Funai), por meio da Coordenação Geral de Índios Isolados e Recente Contato (CGIIRC).

O primeiro passeio foi promovido logo após o desembarque do grupo. Devido ao grande fluxo de pessoas, Marcus e Jeferson acharam mais prudente acomodar os cinco “turistas” em uma residência de localização discreta, até o fim da festividade.
Na manhã desta segunda-feira, 14, os índios, acompanhados dos servidores da Funai, do intérprete e do sertanista José Carlos 
Meirelles, conheceram o Mercado Municipal, lojas e, finalmente, tiveram contato com a fonte de seu maior interesse: a loja de ferramentas e motores para barcos. Afinal é bem mais prático navegar em um barco a motor do que varejar 555 quilômetros.
Durante a caminhada pela área comercial, eles encontraram alguns índios Ashaninka, seus conhecidos e vizinhos das cabeceiras do Rio Envira. As impressões do novo sobre o velho mundo, o próprio Shirimaku, líder do grupo, é quem conta: “Aqui é muito bonito, mas de graça ninguém come.
 Onde eu moro, não tem dinheiro, ninguém precisa comprar nada, porque é o nosso território. Lá, a gente come de graça, o que a gente quiser tem na mata”, ressaltou Shirimaku sobre as relações comerciais e sociais observadas.

Quanto a vinda à cidade, ele é enfático: “Na descida para a cidade, muita gente falava ‘por que vocês não ficam com a gente?’. Nós não viemos atrás de vocês, vamos atrás de saber de onde o povo de vocês sai e como chegam até aqui.
 Queremos conhecer onde moram, como estão e como vivem. Queremos conhecer”, salientou.

Sobre a visita do Povo do Xinane, Meirelles observa que “o espírito de aventura é inerente ao ser humano. Assim não fosse ainda estaríamos confinados às savanas africanas”, afirmou o sertanista e assessor do governo do Acre.
fonte  www.agencia.ac.gov.br
equipe giro feijó

equipe giro feijó

Comentários desta notícia

Atenção, não somos responsáveis pelo conteúdo do comentário que você escrever aqui, mas podemos exluir se for necessário!
Tecnologia do Blogger.