Última hora
recent

Mesmo afastada, professora recebe R$ 13 mil em salários e entra na Justiça para devolver dinheiro ao município

A pós receber R$ 13 mil em salários durante afastamento sem ônus, uma professora do quadro municipal do Bujari, no interior do Acre, entrou na Justiça para devolver o dinheiro aos cofres públicos.
O caso é alvo de um procedimento preparatório do Ministério Público (MP-AC), divulgado nesta segunda-feira (21), que investiga se houve crime de improbidade administrativa.
A servidora, que pediu para não ter o nome divulgado, estava de licença sem remuneração quando percebeu, ao verificar a conta bancária, que a Prefeitura do Bujari continuava depositando o salário mensalmente. O período de afastamento em que houve o problema foi entre fevereiro de 2015 e março de 2016.
Nos autos do processo, conforme o MP-AC, o setor de recursos humanos afirmou que os contracheques continuaram a ser enviados à Secretaria Municipal de Educação e não foi identificado o pagamento indevido. Além disso, nenhum documento a respeito do afastamento teria chegado ao setor.
O advogado da mulher, Antônio de Carvalho Júnior, explica que houve a tentativa de resolver o problema administrativamente, mas sem sucesso. O montante foi devolvido no início deste ano. Em relação à investigação do MP-AC, o advogado afirma que ainda não foi notificado.
“Quando descobriu que estava recebendo o salário indevidamente, ela tentou devolver várias vezes, mas a prefeitura na gestão anterior não disponibilizou uma forma de resolver. Por isso, se viu forçada a entrar na Justiça e devolveu o valor integralmente”, fala.
Júnior ressalta que, no processo judicial, a professora chegou também a reivindicar indenização por danos morais, por considerar que ficou “mal falada na cidade” por receber pagamentos mensais sem estar trabalho. No entanto, o pedido foi negado.
A procuradora do município Ana Paula de Assunção confirmou a devolução e acrescentou que a prefeitura também não foi citada pelo MP-AC em relação à investigação. “Já peticionamos nos autos do processo comprovando a devolução feita ao município e tudo já foi resolvido”, salientou.
fonte  g1.globo.com
equipe giro feijó

equipe giro feijó

Comentários desta notícia

Atenção, não somos responsáveis pelo conteúdo do comentário que você escrever aqui, mas podemos exluir se for necessário!
Tecnologia do Blogger.