Última hora
recent

segunda parte dos índios recente contato visitam a cidade de Feijó pela primeira vez

Enquanto o mundo vibrava com as emoções da última Copa do Mundo, os índios isolados, conhecidos hoje como Povo do Xinane, resolveram fazer o contato.
A primeira aparição ocorreu em julho de 2014, na Aldeia Simpatia, do povo Ashaninka, onde se encontraram índios, servidores da Frente Envira e o sertanista José Carlos Meirelles.

As imagens percorrem o mundo. “Foram eles que, voluntariamente, decidiram fazer contato. Inicialmente, um grupo composto por sete índios. Nós os levamos para a Base do Xinane, onde havia uma estrutura mais adequada e, a partir disso, se iniciou esse processo de contato”, relembra Marcus Boni.
O primeiro e maior desafio foi mantê-los vivos, devido à falta de imunidade dos então isolados com as doenças da civilização branca. “A imunidade deles não era apropriada para o nosso mundo microbiológico, então a dificuldade foi grande. Como se aplica uma injeção pela primeira vez, em uma pessoa que nunca tinha visto uma seringa?”, contou Jeferson.

Vencida essa fase, três anos após o primeiro encontro, é possível afirmar que o contato deu certo. Atualmente, o Povo do Xinane é composto por 35 índios, entre homens, mulheres e crianças. Destes, dois nasceram – um menino e uma menina –no pós-contato.
A política do Estado Brasileiro em relação aos índios isolados é baseada em três sistemas: localização, proteção e contato, apenas quando a iniciativa parte dos próprios índios
.
Aldeia do Povo do Xinane fotografada em 2008 (Foto: Gleilson Miranda/Secom)
“Fizemos contato porque queríamos conhecer como era a vida de vocês. A nossa vida está muito boa, mas mata a gente não adoecia tanto”, destacou Shirimaku, índio que liderou a ida a Feijó.

A saúde desse povo é assegurada pela Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), do Ministério da Saúde. Na Base do Xinane há uma equipe de saúde permanente, composta por um enfermeiro e um técnico de enfermagem, bem como um auxiliar de indigenismo da Funai, uma cozinheira, dois colaboradores indígenas e dois mateiros.
Manter e fortalecer a cultura das populações recém-contatadas estão entre os grandes desafios. “Como você apresenta para um povo que há três anos era isolado o sistema de troca e uso capital, suas consequências e os demais contextos sociais?”, questiona o auxiliar de indigenismo da Funai, Jeferson Lima.

A experiência na cidade foi dividida em dois momentos: pontos positivos e negativos do cotidiano urbano. Os relatos da primeira expedição a Feijó vão despertar a curiosidade dos demais, por isso, a Funai já estuda a possibilidade de, atendendo a demandas dos próprios índios, realizar outras visitas monitoradas.
A necessidade de um linguista junto à equipe da Base do Xinane se torna cada vez maior, para que as informações sejam repassadas sem cargas de influencias. Atualmente, diálogo entre os índios e os profissionais é mediado por outro índio de mesmo troco linguístico.
“A gente tenta proteger ao máximo a cultura deles, como por exemplo não interferindo em seu estilo de vida e alimentação, sempre numa tentativa de fortalecimento a cultura tradicional desse povo”, frisou Marcus Boni.

Os cortes orçamentários na Fundação Nacional do Índio, feitos pelo governo federal, têm comprometido o êxito das políticas públicas. O último concurso para auxiliar de indigenismo no Acre foi realizado em 2010, não havendo atualmente previsão de um próximo.
Dos 17 auxiliares de indigenismo que prestaram concurso para o Acre, 13 continuam exercendo suas atividades no estado. Destes, apenas seis compõem a equipe de campo, responsável pela vigilância do território, assistência aos índios e monitoramento de mais três povos isolados existentes numa região de quase dois milhões de hectares.
“O que tem havido é um demonstre da política indigenista no Brasil, conquistada a duras penas. Estamos vendo os direitos dos índios sendo reduzidos pelo Congresso Nacional, em que a grande maioria dos interessados defende o agronegócio”, salientou Meirelles.
Com uma política de desenvolvimento sustentável em curso há quase 20 anos, o governo do Acre é parceiro das populações tradicionais, extrativistas e indígenas.
Pioneiro na promoção do programa global REDD Early Movers (REM) – política de baixa emissão de carbono, que assegura a manutenção da floresta e uso racional dos recursos –, o Estado já investiu R$ 57 milhões nas 34 terras indígenas que compõem o território acreano, entre 2011 a 2017.
Outros R$ 20 milhões serão aportados até o fim da gestão de Tião Viana, em 2018. Apesar da responsabilidade da política de proteção aos povos indígenas isolados e de recente contato ser estritamente do governo federal, o governo do Acre deu início a uma parceria com a Funai, no intuito de fortalecer os trabalhos da Frente de Proteção Etnoambiental do Envira.
“Estamos consolidando essa parceria, pois o Estado tem muito interesse em potencializar essa política de proteção aos índios isolados e de recente contato. De modo que estudamos investir entre R$ 50 mil a R$ 200 mil na estruturação da Frente Envira”, salientou o gestor da Assessoria de Assuntos Indígenas do Estado, Zezinho Yube.
fonte   www.agencia.ac.gov.br
equipe giro feijó

equipe giro feijó

Comentários desta notícia

Atenção, não somos responsáveis pelo conteúdo do comentário que você escrever aqui, mas podemos exluir se for necessário!
Tecnologia do Blogger.