segunda parte dos índios recente contato visitam a cidade de Feijó pela primeira vez - Giro Feijó

Post Top Ad

Responsive Ads Here
segunda parte dos  índios   recente contato visitam a cidade  de Feijó  pela primeira vez

segunda parte dos índios recente contato visitam a cidade de Feijó pela primeira vez

Share This
Enquanto o mundo vibrava com as emoções da última Copa do Mundo, os índios isolados, conhecidos hoje como Povo do Xinane, resolveram fazer o contato.
A primeira aparição ocorreu em julho de 2014, na Aldeia Simpatia, do povo Ashaninka, onde se encontraram índios, servidores da Frente Envira e o sertanista José Carlos Meirelles.

As imagens percorrem o mundo. “Foram eles que, voluntariamente, decidiram fazer contato. Inicialmente, um grupo composto por sete índios. Nós os levamos para a Base do Xinane, onde havia uma estrutura mais adequada e, a partir disso, se iniciou esse processo de contato”, relembra Marcus Boni.
O primeiro e maior desafio foi mantê-los vivos, devido à falta de imunidade dos então isolados com as doenças da civilização branca. “A imunidade deles não era apropriada para o nosso mundo microbiológico, então a dificuldade foi grande. Como se aplica uma injeção pela primeira vez, em uma pessoa que nunca tinha visto uma seringa?”, contou Jeferson.

Vencida essa fase, três anos após o primeiro encontro, é possível afirmar que o contato deu certo. Atualmente, o Povo do Xinane é composto por 35 índios, entre homens, mulheres e crianças. Destes, dois nasceram – um menino e uma menina –no pós-contato.
A política do Estado Brasileiro em relação aos índios isolados é baseada em três sistemas: localização, proteção e contato, apenas quando a iniciativa parte dos próprios índios
.
Aldeia do Povo do Xinane fotografada em 2008 (Foto: Gleilson Miranda/Secom)
“Fizemos contato porque queríamos conhecer como era a vida de vocês. A nossa vida está muito boa, mas mata a gente não adoecia tanto”, destacou Shirimaku, índio que liderou a ida a Feijó.

A saúde desse povo é assegurada pela Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), do Ministério da Saúde. Na Base do Xinane há uma equipe de saúde permanente, composta por um enfermeiro e um técnico de enfermagem, bem como um auxiliar de indigenismo da Funai, uma cozinheira, dois colaboradores indígenas e dois mateiros.
Manter e fortalecer a cultura das populações recém-contatadas estão entre os grandes desafios. “Como você apresenta para um povo que há três anos era isolado o sistema de troca e uso capital, suas consequências e os demais contextos sociais?”, questiona o auxiliar de indigenismo da Funai, Jeferson Lima.

A experiência na cidade foi dividida em dois momentos: pontos positivos e negativos do cotidiano urbano. Os relatos da primeira expedição a Feijó vão despertar a curiosidade dos demais, por isso, a Funai já estuda a possibilidade de, atendendo a demandas dos próprios índios, realizar outras visitas monitoradas.
A necessidade de um linguista junto à equipe da Base do Xinane se torna cada vez maior, para que as informações sejam repassadas sem cargas de influencias. Atualmente, diálogo entre os índios e os profissionais é mediado por outro índio de mesmo troco linguístico.
“A gente tenta proteger ao máximo a cultura deles, como por exemplo não interferindo em seu estilo de vida e alimentação, sempre numa tentativa de fortalecimento a cultura tradicional desse povo”, frisou Marcus Boni.

Os cortes orçamentários na Fundação Nacional do Índio, feitos pelo governo federal, têm comprometido o êxito das políticas públicas. O último concurso para auxiliar de indigenismo no Acre foi realizado em 2010, não havendo atualmente previsão de um próximo.
Dos 17 auxiliares de indigenismo que prestaram concurso para o Acre, 13 continuam exercendo suas atividades no estado. Destes, apenas seis compõem a equipe de campo, responsável pela vigilância do território, assistência aos índios e monitoramento de mais três povos isolados existentes numa região de quase dois milhões de hectares.
“O que tem havido é um demonstre da política indigenista no Brasil, conquistada a duras penas. Estamos vendo os direitos dos índios sendo reduzidos pelo Congresso Nacional, em que a grande maioria dos interessados defende o agronegócio”, salientou Meirelles.
Com uma política de desenvolvimento sustentável em curso há quase 20 anos, o governo do Acre é parceiro das populações tradicionais, extrativistas e indígenas.
Pioneiro na promoção do programa global REDD Early Movers (REM) – política de baixa emissão de carbono, que assegura a manutenção da floresta e uso racional dos recursos –, o Estado já investiu R$ 57 milhões nas 34 terras indígenas que compõem o território acreano, entre 2011 a 2017.
Outros R$ 20 milhões serão aportados até o fim da gestão de Tião Viana, em 2018. Apesar da responsabilidade da política de proteção aos povos indígenas isolados e de recente contato ser estritamente do governo federal, o governo do Acre deu início a uma parceria com a Funai, no intuito de fortalecer os trabalhos da Frente de Proteção Etnoambiental do Envira.
“Estamos consolidando essa parceria, pois o Estado tem muito interesse em potencializar essa política de proteção aos índios isolados e de recente contato. De modo que estudamos investir entre R$ 50 mil a R$ 200 mil na estruturação da Frente Envira”, salientou o gestor da Assessoria de Assuntos Indígenas do Estado, Zezinho Yube.
fonte   www.agencia.ac.gov.br

Videos

Post Bottom Ad

Responsive Ads Here

Pages