Última hora
recent

Governo quer anulação de lei que reajusta valor de plantões de enfermeiros e técnicos em R$ 600 no Acre

Gemil Júnior, secretário de Saúde, afirmou que lei gera custos superiores a R$ 85 milhões anuais somente com plantões
A  pós aprovação e sanção da Lei N° 84, de 2000, que reajustou o valor dos plantões dos enfermeiros e técnicos de enfermagem para R$ 600 a cada 12 horas extras, a Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre) anunciou nesta segunda-feira (25) que o Estado vai ingressar com um pedido no Judiciário para revogar o projeto.
A matéria foi aprovada pela Assembleia Legislativa (Aleac) e sancionada pelo Executivo no dia 14 deste mês.
O gestor da pasta, Gemil Júnior, afirmou que a lei é inconstitucional e que o Estado não tem verba para arcar com os valores do aumento, que, segundo ele, chegariam a mais de R$ 7 milhões por mês.
“São mais de R$ 85 milhões ao ano. Isso é totalmente inviável, inconstitucional e o Estado não tem como arcar com uma condição dessa em relação à folha [de pagamento]”, disse o secretário.
De acordo com Júnior, a Procuradoria-Geral do Estado (PGE) vai apresentar o pedido de anulação da lei ao Tribunal de Justiça do Acre (TJ-AC) já nesta quarta-feira (27). Ele argumentou que o projeto inicial tratava apenas de autorização para a criação de novas vagas e convocação de enfermeiros e técnicos da área pelo Legislativo.
“Inicialmente tinha que se aumentar o teto das duas categorias, porque ele já estava ultrapassado. A lei foi encaminhada da Casa Civil à Aleac, que fez a aprovação. Mas em nenhum momento foi tratado com a categoria aumento de plantões. O projeto não tratava de aumento em questões econômicas, apenas abertura de vagas”, enfatizou o gestor da Sesacre.
Manobra e descuido
O secretário esclareceu que a construção do projeto até ele ser enviado à Aleac foi feita junto aos sindicatos que representam os servidores da saúde. Segundo ele, apenas uma classe tratou de aumento durante esse período, mas a possibilidade de reajuste de plantões para enfermeiros e técnicos foi descartada.
Ele afirmou ainda que uma manobra e descuido dos deputados foram fatores essenciais para que o projeto fosse aprovado e sancionado da maneira que está.
“A presidente de um sindicato esteve com o deputado da oposição [responsável pela relatoria do projeto na Assembleia] para fazer com que uma manobra fosse aprovada. Houve sim um descuido por parte dos deputados da base e da oposição. Acredito que se os parlamentares soubessem do custo anual, jamais aprovariam a lei”, disse.
Júnior diz ainda que todo mundo foi induzido ao erro e que houve uma manobra para que o projeto fosse aprovado.
“Ninguém atentou que a presidente de um sindicato chegou diretamente ao coordenador da comissão [da Assembleia Legislativa], onde o projeto passou, e fez com isso fosse colocado em votação, a aprovação foi unânime. Todo mundo foi induzido ao erro. Não tem lógica de um plantão sair de R$ 80 para R$ 600 e gerar um custo de quase R$ 90 milhões ao ano”, finalizou.
fonte  g1.globo.com 
equipe giro feijó

equipe giro feijó

Comentários desta notícia

Atenção, não somos responsáveis pelo conteúdo do comentário que você escrever aqui, mas podemos exluir se for necessário!
Tecnologia do Blogger.