Última hora
recent

Rejuvenescimento íntimo ou vaginal vira a nova obsessão das mulheres

Não se trata de reconstrução de hímen. O tratamento estético da vez, que vem sendo chamado de rejuvenescimento íntimo, nem se preocupa com a película sempre atrelada à virgindade. Em termos de aparência, ele pode diminuir o monte pubiano, atuar na flacidez dos grandes lábios e clarear a região como um todo. De quebra, promete aumentar o prazer da mulher na relação sexual.-
Este tipo de procedimento era algo muito restrito às atrizes pornôs. Mas desde que o brazilian wax (depilação à brasileira) começou a fazer sucesso no mundo, a mulher começou a olhar mais para a própria vulva. Fora que hoje ela é jovem e sexualmente ativa por muito mais tempo e percebe que essa região também envelhece e revela a idade - afirma a ginecologista Viviane Monteiro, da clínica da All Clinik.
Por meio de um laser, a médica consegue estimular a produção de colágeno, promovendo a sustentação da pele e o aumento da vascularização local. Em resposta ao estímulo, acontece o estreitamento do canal vaginal, gerando mais atrito e sensibilidade durante o sexo.
Foi o que sentiu a médica Amanda, de 36 anos, que fez o rejuvenescimento após ter dois partos normais:
- Me dá mais prazer na relação. Esteticamente melhorou muito: tinha uma cicatriz do parto e flacidez. Depois do laser, a cor pareceu mais como era antes da gravidez - conta ela, que é bailarina nas horas vagas e procurou o tratamento porque sentia que a bexiga pesava durante a execução dos exercícios, molhando a calcinha.
Para a empresária Marcela, de 43 anos, casada há 25, o rejuvenescimento funciona como um "botox":

- Com a idade, você perde colágeno não só no rosto, mas em todo o corpo. Como consequência, você está rindo, e tem um pequena incontinência. Não podia gargalhar, pular. Isso aos 40 e pouco... De bônus, o tratamento deu um gás na relação: - Nunca exagerei na depilação. Sempre disse para a depiladora que não era para ser capa da "Playboy". O tratamento fez isso também, revelou minha vagina. Já na segunda sessão, meu marido ficou curioso, percebeu a diferença, ficou animado...
Quando o tratamento é estético (o laser também é usado para questões funcionais, como essas pequenas incontinências urinárias), pode ser associado a procedimentos como o preenchimento dos grandes lábios vaginais e os peelings superficiais, que fazem o clareamento da região.
- Em geral, é algo indolor, e são recomendadas de três a cinco sessões, com intervalos mensais, e uma anual, para manutenção. Já no dia seguinte, é possível voltar a praticar atividades físicas. Sexo só depois de uma semana - explica Viviane.
Além dos tratamentos com laser, em 2016, a cirurgia plástica vaginal correspondeu a 1,7% dos procedimentos realizados pelos cirurgiões plásticos no Brasil. Pode parecer pouco, mas no total, foram mais de 25 mil pacientes que se submeteram à técnica. Segundo a Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (ISAPS), o Brasil é líder nesta cirurgia, realizando quase o dobro do que foi feito no país que mais faz plásticas no mundo, os Estados Unidos.
Segundo o médico Rodrigo Itocazo Rocha, regente do Capítulo de Cirurgia da Genitália e Intersexo da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, a busca por intervenções funcionais e estéticas começou forte nos últimos cinco anos, sendo que, anteriormente, o campo de atuação era muito restrito a deformidades congênitas e traumatrismos.
- A procura aumentou principalmente por parte das mulheres que tomam hormônio na musculação e que acabam tendo hipertrofia do clitóris, que fica muito proeminete e incomoda na relação, e por mulheres que passam por cirurgias bariátricas e acabam tendo sobra de pele na região pubiana - diz ele, que hoje estima que 37% das pacientes procuram as cirurgias na vulva por motivos apenas estéticos, 30 a 31% por questões funcionais e o último terço pela combinação das duas coisas.

No caso da cirurgia, que movimenta tecidos e tira excesso de pele, é indicado, de acordo com Rodrigo, repouso relativo por duas semanas:
- É uma região bastante vascularizada, que tende a inchar bastante. Neste caso, sexo só depois de 4 a 6 semanas.
NOVOS PADRÕES
Para a antropóloga Mirian Goldenberg, autora de "Por que os homens preferem as mulheres mais velhas?”, da editora Record, a procura por tratamentos do tipo reflete um pânico feminino diante do envelhecimento, mas também revela uma fonte de poder:
- No Brasil, o corpo, principalmente para as mulheres, é o verdadeiro capital, um lugar onde elas investem tempo, dinheiro, preocupação. Mas não é um corpo qualquer: é um corpo magro, jovem, bonito, em forma. Mesmo mulheres que estão em profissões que não precisam desse cuidado são culturalmente obrigadas a investir nisso.
Na visão da pesquisadora, a busca pelo melhor aspecto da vagina mostra ainda uma mudança cultural em relação à sexualidade feminina:
- A vagina era uma área invisível para as mulheres. Quando ela passou a exergar e pôde achar que não era bonita dentro deste modelo de corpo, passou a querer transformar, assim como ela pinta o cabelo. Por que ela vai descuidar de uma parte que também pode ficar mais bonita? - questiona Mirian, que acredita que as mulheres buscam mais a transformação para si do que para agradar aos parceiros: - Fiz uma pesquisa com mulheres que fizeram plástica, e a maioria dizia que fazia para si e não para o outro. Elas se sentem muito mais poderosas porque podem ter o corpo que sempre desejaram e, principalmente, podem fazer o que querem com o próprio corpo.

- Meu marido não é muito atento. Acho que eu senti mais do que ele a diferença em termos de sensibilidade - confirma Amanda.
Há, no entanto, quem defenda que, por trás da busca por esses procedimentos, estão padrões de beleza que oprimem o sexo feminino. Para encorajar mulheres a se olharem, se conhecerem e se gostarem, as designers Karen e Kelly se uniram em um projeto que cola desenhos e fotos de vaginas, numa estética lambe-lambe, pelos muros de São Paulo.
- A inspiração foi a personagem "Clódia" - de "Contos de Escárnio", da escritora Hilda Hilst - uma artista plástica obcecada por desenhar bucetas. Motivada pelo conto, me propus a também desenhar bucetas e não consegui, primeiro porque não tinha repertório nem referências de como criar essas representações, depois porque a simples ideia de desenhá-las me despertava sentimentos angustiantes, dentre eles vergonha e nojo - afirma Kelly
.
Para Karen, a decisão de modificar o corpo é pessoal, mas "ter clareza do por que se está fazendo esse tipo de procedimento é importante":
- Sabemos que há um ideal de mulher, em sua maioria branca, magra e jovem, reflexo de uma construção machista. A representatividade plural de mulheres de diversas raças, corpos e idades é uma questão latente.
Mostrar essa diversidade também é o objetivo da artista holandesa Hilde Atalanta, que criou o projeto "The Vulva Gallery" para reuniur inúmeras ilustrações de vulvas e, assim, tentar aliviar a pressão que as mulheres sofrem acerca do próprio corpo. O escultor Jamie McCartney foi outro que já chamou a atenção para o assunto com sua obra The Great Wall of Vagina (O Grande Muro de Vaginas), que foi exposta em Londres. Durante quatro anos, o artista inglês realizou moldes em gesso de órgãos genitais de 400 mulheres para chamar atenção para consequências derivadas do abuso da pornografia e da plástica vaginal.
Alheias às discussões feministas, as marcas de beleza surfam na onda deste novo mercado que se tornou a vagina. A dinamarquesa ‘The Perfect V’ lançou uma linha de produtos chamada "VV cream", que promete deixar a área iluminada, aveludada e firme: são cremes, séruns, esfoliantes, tônicos. O carro-chefe da marca é um iluminador transparente, que funciona mesmo como uma maquiagem clarendo e minimizando imperfeições, além de dar um brilho extra para a área. Os preços do e-commerce são a partir de US$ 21. Outro produto que ganhou destaque nas revistas de beleza foi o Fur Oil: um óleo composto de nove ingredientes - entre eles semente de uva, sálvia esclareia e jojoba - dedicado a cuidar dos pelos pubianos e que também deu origem a uma linha de produtos como cremes para a área.
Para quem quer brilhar ainda mais na hora do sexo foi criada uma pílula de glitter, comercializada com o nome de "passion dust" (poeira da paixão), que tem como função espalhar purpurina durante a penetração. A ideia de transformar a performance em um grande desfile de carnaval, contudo, pode render infecções, alertam ginecologistas.
fonte  oglobo.globo.com
equipe giro feijó

equipe giro feijó

Comentários desta notícia

Atenção, não somos responsáveis pelo conteúdo do comentário que você escrever aqui, mas podemos exluir se for necessário!
Tecnologia do Blogger.