Última hora
recent

Casas são marcadas com siglas de facção e moradores alegam falta de segurança no AC

Uma onda de assaltos e furtos a casas tem tirado a tranquilidade dos moradores do bairro Irineu Serra, na parte alta de Rio Branco. Além da violência, pichações com as siglas da facção Comando Vermelho foram feitas em diversos muros e casas da comunidade.
Segundo os relatos, até mesmo a sepultura de Raimundo Irineu Serra, ou mestre Irineu, fundador do santo daime, foi pichada.
Procurado pelo G1, o tenente-coronel Rômulo Modesto, comandante do 5° Batalhão da Polícia Militar (PM-AC) responsável pela segurança na área, garante que não há uma grande quantidade de crimes no bairro.
Ele classificou como leviana a informação de que uma onda de violência estaria tomado conta da localidade. “Não identificamos em nenhuma área [do 5° Batalhão] uma situação que esteja fora de controle”, garante.
A professora aposentada Francisca Morais, de 67 anos, tem um terreno no início do bairro. Ela e o marido, que já moraram no local há 10 anos, estão construindo uma nova casa, que já tem muros levantados e fundações feitas.
No começo da semana passada, ela e o esposo encontraram o portão danificado e muitas pichações espalhadas pelo muro do terreno.
“Chegamos aqui na segunda-feira passada e vimos que ladrões tentaram arrombar o portão e a tranca da chave. Como não conseguiram, porque é sodado, eles ainda subiram pelo muro para pular para dentro. Só não conseguiram porque temos um cachorro e uma pilha de tijolos rente ao muro impediu”, relata.
A aposentada afirma que decidiu construir a casa para voltar a morar na comunidade. Após o episódio, ela começou a repensar a decisão e já não sabe mais se vai se mudar depois que as obras terminarem.

“Estava querendo vir para fazer uma pequena plantação no terreno, criar galinhas e ajeitar as coisas. Mas, agora com essa situação, estou desanimada e insegura de voltar”, lamenta.
Terreno de aposentada foi alvo de tentativa de furto na semana passada (Foto: Luan Cesar/G1)
Recislene Nascimento é diarista e afirma que há dois meses foi assaltada por dois jovens enquanto esperava o ônibus no ponto, próximo à sua casa, com a filha e a neta. Depois 15 anos vivendo no Irineu Serra, ela garante que essa foi a primeira vez que viveu esse tipo de situação. A moça também já soube de casos com outros moradores.
“Estava conversando com minha filha quando dois rapazes chegaram pedindo minha bolsa e dizendo que era um assalto. Até tentei segurar para que eles não levassem, mas perdi R$ 300, celular, cartões e outras coisas. Ultimamente aqui está ficando aterrorizante. Nunca ouvi tantas notícias de assalto e agora aconteceu comigo. Nem vou mais à parada, estou com pavor”, destaca a diarista.
Apesar de não ter tido nada subtraído, o funcionário público Carlos Afonso Barros Sampaio já presenciou e até mesmo impediu uma tentativa de assalto a casa de vizinhos. O muro dele também foi pichado com as siglas de uma facção, o homem calcula que o fato ocorreu há três dias. Morador do Irineu Serra há 26 anos, ele teme pela segurança da comunidade.
“Eu e outras pessoas impedimos que um homem assaltasse a casa do vizinho do meu sogro. Há seis meses, a mesma coisa aconteceu na residência de um amigo. Aqui temos uma segurança espiritual e as pessoas que moram no bairro são de bem. Quem não é daimista é evangélico. Até quatro meses atrás dava de dormir com as janelas abertas, agora não mais”, reforça Sampaio.

Casos pontuais
Casa no Irineu Serra foi uma das várias que receberam pichações (Foto: Luan Cesar/G1)
O tenente-coronel Rômulo Modesto destaca que a comunidade do Irineu Serra é pequena e não representa 1% da unidade do 5° Batalhão, que atende mais de 40 bairros. “Obviamente, deve ter acontecido algum crime, roubo ou furto. Mas, não existe uma onda de violência no Irineu Serra”, assegura.
Modesto explica que o policiamento do bairro é realizado por rondas, patrulhas e diversas outras ações que mobilizam várias equipes da PM ao lugar. “Várias modalidades de policiamento são empregadas em toda a área. Fazemos o policiamento ostensivo e preventivo com muitas equipes”, diz.
Muro recebeu as inciais de facção criminosa (Foto: Luan Cesar/G1)
O comandante do 5° Batalhão argumenta que a maioria dos moradores fazem parte do Santo Daime, o que faz com que a área seja tranquila. Além disso, ele ressalta que o bairro é pequeno e distante do restante da cidade. “É um ponto específico, um ou outro roubo que aconteceu, e há uma supervalorização do problema, o que não é errado”, finaliza.
fonte   g1.globo.com
equipe giro feijó

equipe giro feijó

Comentários desta notícia

Atenção, não somos responsáveis pelo conteúdo do comentário que você escrever aqui, mas podemos exluir se for necessário!
Tecnologia do Blogger.